Atriz apontada como amante de Hollande irá à Justiça

PARIS - A atriz Julie Gayet vai processar a revista de celebridades Closer pela reportagem que acusa o presidente da França, François Hollande, de manter um caso extraconjugal com ela, segundo uma rádio local. A decisão vem acompanhada de uma onda de publicações sobre a vida da suposta amante do chefe de Estado francês.

Andrei Netto, Correspondente - O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2014 | 02h01

A informação sobre o processo judicial movido por Julie foi revelada pela rádio RTL, de Paris, mas não foi confirmada pela atriz, que continuou sem se manifestar sobre o escândalo ontem. De acordo com a emissora, ela decidiu acionar o Ministério Público da capital com base no Artigo 9 do Código Civil francês, que define crimes de "atentado à vida privada", pela publicação do texto, e "atentado a direito de imagem", pela veiculação de fotografias sem autorização. Em janeiro de 2013, a Closer perdeu um processo semelhante e teve de pagar uma indenização de € 6 mil.

A Justiça da França não costuma aceitar como "desonra" revelações sobre relações amorosas, já que não há obrigação de fidelidade segundo a legislação. Outro ponto fraco da eventual argumentação da atriz é a "evolução" do direito francês, que tem cada vez mais admitido o princípio de que informações relevantes sobre a vida privada podem ter interesse público se envolvem figuras públicas.

Ontem, a revista Elle adiantou sua nova edição para publicar a reportagem "Atriz e mulher engajada: Julie Gayet, uma paixão francesa". O texto tem como base uma entrevista concedida pela atriz em dezembro.

Julie foi centro das atenções em um novo caso: o Ministério da Cultura da França decidiu cancelar o convite feito para ser jurada da Academia Francesa de Roma - cargo não remunerado. "Julie Gayet é absolutamente qualificada para a função. Mas, diante da situação particular, eu não a nomearei", informou a ministra, Aurélie Filippetti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.