EFE/Mario Guzmán
EFE/Mario Guzmán

Atriz mexicana Kate del Castillo é investigada por lavagem de dinheiro

Segundo a promotora Arely Gómez, a atriz - que intermediou o encontro de 'El Chapo' e Sean Penn - teria aceitado dinheiro do cartel de Sinaloa para sua marca de tequila, Honor del Castillo

O Estado de S. Paulo

19 Janeiro 2016 | 17h04

CIDADE DO MÉXICO - A promotora mexicana, Arely Gómez, afirmou nesta terça-feira, 19, que a atriz Kate del Castillo, que já foi chamada para depor por vínculos com Joaquín "El Chapo" Guzmán, está sendo investigada por uso de recursos de procedência ilícita.

"Nós temos uma investigação no caso da tequila. Estávamos investigando quem ia fazer o filme, nossa investigação era focada", explicou em entrevista ao jornal "El Universal".

De acordo com Arely, a relação entre a atriz e o traficante ficou conhecida através do acompanhamento que estava sendo feito de um dos advogados do líder do Cartel de Sinaloa, Andrés Granados Flores. 

Há indícios de que Kate aceitou recursos do narcotráfico para sua marca de tequila, Honor del Castillo, embora a promotora tenha esclarecido que não se pode "dar por certo só o que foi publicado a respeito", em referência às mensagens de texto trocadas entre o advogado e a atriz, nas quais a intérprete dizia que seria "incrível" e "divino" a possibilidade de uma sociedade.

"Precisamos de certeza jurídica", disse Arely, que informou que o financiamento do filme que estava sendo planejando sobre "El Chapo" também é investigado. Segundo ela, não é necessário que a atriz, que mora em Los Angeles, viaje ao México para depor, já que isso pode ser feito do consulado.

Na apresentação de "El Chapo" aos meios de comunicação após sua recaptura em 8 de janeiro em Sinaloa, a promotora afirmou que "um aspecto importante que permitiu precisar sua localização foi o fato de ter descoberto a intenção de filmar um filme biográfico, para o qual estabeleceu contato com atrizes e produtores".

Ela confirmou que o ator americano Sean Penn, que entrevistou a narcotraficante em 2 de outubro para a revista "Rolling Stone" a partir da mediação da atriz, não está sendo investigado pela procuradoria. Também não existe acusação contra o diretor Oliver Stone, que também foi especulado com envolvimento no caso. "A única pessoa envolvida, por enquanto, é ela (Kate)", garantiu.

Arley detalhou que o acompanhamento que estava sendo feito sobre o advogado Granados Flores os levou a uma reunião em Guadalajara entre Kate e o advogado no qual acertaram o encontro de 2 de outubro com o traficante e do qual participaram "outros personagens do meio artístico".

De acordo com ela, a Promotoria investiga "toda a logística da viagem" até o lugar onde estava escondido o chefe do cartel de Sinaloa. / EFE

Mais conteúdo sobre:
México El Chapo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.