ATUALIZA-Atentados suicidas matam 24 em cidade paquistanesa

Dois carros-bombas dirigidospor militantes suicidas explodiram na terça-feira em Lahore, noPaquistão, matando pelo menos 24 pessoas, segundo policiais eautoridades. Mais de 500 pessoas já morreram neste ano no Paquistão ematentados, vários deles suicidas. Uma das bombas explodiu na porta da Agência Federal deInvestigações (AFI), no centro da cidade, provocando muitosdanos nesse prédio e nos arredores. A agência investigaquestões de imigração ilegal e tráfico humano. "Agora está mais óbvio que os terroristas estão atacando oaparato estatal de combate ao crime", disse à Reuters o chefede polícia da cidade, Malik Mohammad Iqbal. O ministério do Interior disse que 21 pessoas morreram naexplosão da AFI, sendo 12 funcionários da agência. Mais ou menos na mesma hora, um outro carro-bomba explodiunum bairro residencial a cerca de 10 quilômetros da AFI,matando duas crianças e um adulto, segundo Javed Iqbal Cheema,porta-voz do ministério. Ao todo, há 170 feridos, de acordo comos dados oficiais. "Estamos atravessando uma fase muito crucial de transição",disse Cheema a jornalistas, referindo-se às discussões entre ospartidos da oposição, vencedores da eleição de 18 de fevereiro,para formar uma coalizão. "Talvez uma resposta seria que os terroristas estãotentando colocar o máximo de pressão sobre o governo que estáse formando", acrescentou. Na semana passada, um duplo atentado suicida contra umcolégio naval de Lahore matou cinco pessoas. Segundo a polícia, o segundo carro-bomba de terça-feiraexplodiu após parar diante de uma agência de publicidade pertoda casa do dirigente oposicionista Asif Ali Zardari, viúvo daex-primeira-ministra Benazir Bhutto, assassinada em dezembro. Zardari, que na terça-feira estava em Islamabad, dissenesta semana que seu partido, o mais votado no pleito defevereiro, não vai abandonar a sua longa luta contra amilitância islâmica. Cheema disse que os governos provinciais foram orientados arever seus planos de segurança e a acelerar a coleta deinformações que possam evitar atentados. "Infelizmente, nossoinimigo não tem nome nem rosto", afirmou o porta-voz. O presidente Pervez Musharraf condenou os atentados. "Atosde terrorismo não podem deter a disposição do governo emcombater a escória com força total", afirmou ele à agênciaestatal de notícias. (Reportagem adicional de Kamran Haider e Zeeshan Haider)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.