Auditoria mostra erros em dados americanos sobre terrorismo

Quase todas as estatísticas relacionadas com o terrorismo distribuídas pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos desde os atentados de 11 de setembro de 2001 até o início de 2005 são inexatas, segundo auditoria doórgão divulgada nesta terça feira.A consultoria, encomendada pelo inspetor-geral do Departamento de Justiça, Glenn A. Fine, mostrou que os dados foram exagerados em alguns casos e minimizados em outros. Só dois grupos dos 26 relatórios divulgados entre 2001 e 2005 são "exatos".As estatísticas de promotores federais dos EUA também incluíram violações das leis de imigração, fraudes matrimoniais e tráfico de drogas. As relacionadas com o terrorismo continham números de suspeitos acusados e condenados, assim como ameaças a certas cidades americanas.Os dados eram recolhidos pelo FBI, pela divisão criminal do Departamento e pelo escritório executivo do secretário de Justiça. Os números fornecidas pelo Departamento de Justiça são usados para medir o avanço da agência na luta antiterrorista e costumam ser entregues ao Congresso americano. Eles são utilizados também para elaborar o orçamento anual do Departamento.Depois da divulgação da notícia, o senador democrata Charles Schumer se perguntou como, "se o próprio Departamento de Justiça não tem seus dados em ordem", o Congresso pode "confiar que o órgão faz o trabalho que deve".Já o senador republicano Chuck Grassey disse que é necessário determinar se as inexatidões foram um erro "ou se há outro motivo por trás".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.