Aumenta a crise política na Iugoslávia

A extradição do ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic para uma prisão internacional na Holanda continuava hoje a acirrar a crise política que ameaça dividir ainda mais as duas repúblicas que compõem a Iugoslávia. Políticos de Montenegro, a menor das duas repúblicas que integram federação iugoslava, comprometeram-se hoje a participar de negociações para resolver a crise.O primeiro-ministro iugoslavo, Zoran Zizic, renunciou ontem em protesto pela decisão da Sérvia de entregar Milosevic ao tribunal de Haia. Membros do gabinete de Montenegro, a menor das duas repúblicas, também renunciaram. O ex-presidente iugoslavo passou a sua segunda noite na prisão. A promotora-chefe do Tribunal para Crimes de Guerra de Haia, Carla Del Ponte, disse que a decisão do governo iugoslavo de entregar o ex-presidente foi um divisor de águas. Carla Del Ponte disse acreditar que agora será mais fácil levar outros supostos criminosos de guerra a julgamento. Ela se referiu especificamente ao ex-líder sérvio na Bósnia Radovan Karadzic e ao seu general, Ratko Mladic, dizendo que é um escândalo que eles continuem em liberdade.A promessa de ajuda financeira à Iugoslávia, que ajudou a levar Milosevic ao tribunal, também pode trazer outros acusados. Milosevic, que foi extraditado esta semana, deverá fazer a sua primeira aparição no tribunal na próxima terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.