Aumenta a tensão entre Índia e o Paquistão

Índia e Paquistão trocaram hoje uma série de sanções diplomáticas e econômicas, enquantoprosseguiam na área militar os preparativos para um eventualconfronto. Temendo um conflito de grandes proporções, os EstadosUnidos pediram às duas nações nucleares do sul da Ásia queprocurem uma saída política.O governo indiano foi o primeiro a impor medidas punitivas,que incluem a proibição de aviões comerciais paquistaneses desobrevoar o espaço aéreo indiano a partir do dia 1º. A Índiadecidiu reduzir pela metade sua representação diplomática emIslamabad e também a paquistanesa em Nova Délhi. Os diplomatasque permanecerem na Índia terão sua circulação restrita àcapital indiana. A retaliação paquistanesa veio imediatamente e nos mesmostermos. O espaço aéreo do país está vetado à aviação comercialindiana. E seus diplomatas não podem sair dos limites deIslamabad.Com as sanções, a Índia pretende forçar o Paquistão a fechardois grupos de separatistas islâmicos da Caxemira indiana,Jaish-i-Mohammad e Lashkar-i-Taiba, acusados de envolvimento noataque do dia 13 ao Parlamento indiano, que deixou 14 mortos e17 feridos. Segundo as autoridades indianas, esses grupos, comsede na Caxemira paquistanesa, são apoiados pelos serviçossecretos paquistaneses.Negação - O Paquistão negou categoricamente qualquer participação nosatentados. E pôs sob prisão domiciliar o chefe do Jaish. A Índiajulgou a medida insuficiente. O chanceler indiano, Jaswant Singh acusou o governo paquistanês de tentar enganar a comunidadeinternacional com "ações cosméticas contra os terroristas".Singh descartou qualquer possibilidade de diálogo no momento.O chanceler paquistanês, Aziz Ahmed Khan, declarou-sedesapontado com os passos dados pelo vizinho. "Isso vaiincendiar a já tensa atmosfera." O ministro indiano da Defesa,George Fernandes, disse que mais tropas serão enviadas àfronteira, na maior concentração militar na região em 15 anos. "Nossa resposta será adequada", reagiu o porta-voz militarpaquistanês, Rashid Quareshi,O secretário de Estado americano, Colin Powell, telefonou paraos líderes dos dois países na quarta-feira, pedindo reflexão emoderação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.