Aumenta crise entre governo e província rebelde na Geórgia

O presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, aumentou a pressão sobre o líder da província de Adjária, Aslan Abashidze, ao ordenar ao Exército que tome o controle de todas as passagens na divisa entre a região conturbada e o restante do país. "Não haverá barreira entre a Adjária e o restante da Geórgia", disse Saakashvili em um pronunciamento à nação, referindo-se a iniciativas de Abashidze para isolar a região, com a destruição de pontes e outras conexões rodoviárias e ferroviárias.Abashidze parecia prestes a perder o controle nesta quarta-feira, depois que milhares de pessoas saíram às ruas de Batumi, capital da Adjária, e surgiam rumores de que autoridades policiais e políticas estariam mudando para o lado do governo central. Saakashvili ofereceu a Abashidze garantias de segurança pessoal caso venha a renunciar. Apesar disso, o líder rebelde foi à televisão estatal da Adjária e fez um pronunciamento contra o governo centra da Geórgia.Abashidze disse estar aguardando a chegada a Batumi de Igor Ivanov, presidente do Conselho de Segurança da Rússia, com quem pretendia discutir "formas de resolver a crise". Ivanov, cuja mãe é georgiana, foi enviado ao país em novembro de 2003, quando o povo saiu às ruas de Tbilisi e forçou a renúncia de Eduard Shevardnadze, então presidente da Geórgia. A Rússia mantém uma base militar na Adjária e goza de bastante credibilidade e influência na Geórgia, uma ex-república soviética.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.