Aumenta o número de jornalistas assassinados

A Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) anunciou ontem que 106 jornalistas foram mortos no exercício da profissão em 2011. O número cresceu em relação a 2010, quando foram registrados 94 casos. Os países com mais jornalistas assassinados foram México, Paquistão e Iraque, cada um com 11 registros. A Federação pediu ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, providências para garantir mais segurança aos profissionais de imprensa nas coberturas de conflitos e outras situações de perigo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.