Aumenta para 21 o número de mortos por incêndio em mina na Rússia

O Ministério de Situações de Emergência da Rússia informou que aumentou para 21 o número de vítimas de um incêndio ocorrido na última quinta-feira numa mina de ouro na Sibéria, depois de as equipes de resgate encontrarem neste sábado os corpos de outras cinco pessoas.Além disso, foi informada a morte de outro mineiro que havia sido resgatado com vida. Ele faleceu no hospital de Chita, região limítrofe com a China e a Mongólia.Três mineiros, que haviam ficado presos durante mais de 40 horas, conseguiram subir à superfície. Outros cinco foram resgatados neste sábado a 435 metros de profundidade, reduzindo para quatro o número de desaparecidos. Apesar das condições adversas, com temperaturas de até 35 graus e uma intensa fumaça, os trabalhos de resgate continuaram durante toda a noite."As equipes de salvamento continuarão procurando até que todos os mineiros, vivos ou não, sejam trazidos à superfície", disse Pavil Gueniatulin, governador de Chita, citado pela agência "Interfax".A mina Daransun, aberta há mais de um século, fica a cerca de 500 quilômetros da capital regional.O Gabinete de ministros criou uma comissão de investigação sobre o acidente. Segundo fontes oficiais, 31 mineiros, dos 64 que se encontravam no interior da mina no momento do incêndio, foram retirados da mina ou conseguiram sair dela através de um túnel situado a cinco quilômetros do local do incêndio.O incidente aconteceu por volta das 8h de quinta-feira num dos poços verticais, a uma profundeza de entre 85 e 135 metros. As autoridades podem suspender a extração de ouro na mina, de propriedade da companhia britânica Highland Gold Mining, cuja fábrica adjacente produz 4,5 toneladas de ouro anuais.Parentes dos mineiros denunciaram que a empresa, pertencente ao grupo canadense Barrick Gold, o maior produtor de ouro do planeta, dava pouca atenção à segurança dos trabalhadores.No entanto, o Governador reconheceu que a empresa havia dado novo impulso à economia da região, ao ser a única que pagava salários decentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.