Hariandi Hafid/AFP
Hariandi Hafid/AFP

Aumenta para 77 número de mortes por terremoto na Indonésia

Mais de 800 pessoas ficaram feridas. 189, que estão hospitalizadas, receberam prognóstico severo

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2021 | 09h27
Atualizado 17 de janeiro de 2021 | 11h26

De acordo com a última recontagem oficial, ao menos 77 pessoas morreram e 826 ficaram feridas após o terremoto de magnitude 6,2, que atingiu a ilha de Sulawesh, na região central da Indonésia , na sexta-feira, 15. O epicentro do terremoto foi a seis quilômetros a nordeste da cidade de Majene, a uma profundidade de 10 quilômetros.

Nos últimos dois dias, dezenas de corpos sem vida foram extraídos dos escombros dos edifícios em Mamuju, capital provincial de 110.000 habitantes, onde um hospital e um shopping desabaram."As chuvas causam dificuldades adicionais porque podem causar o colapso de alguns edifícios danificados completamente, assim como os choques posteriores", disse Octavianto, um dos salva-vidas que ajuda no resgate. "Depois de mais de 24 horas, pessoas enterradas provavelmente estão mortas." 

Após o ocorrido, cerca de 15.000 pessoas optaram por deixar suas casas. Alguns buscaram refúgio nas montanhas, enquanto outros foram para centros de evacuação habilitados pelas autoridades. O terremoto e seus choques posteriores danificaram mais de 400 casas e dois hotéis, além de aplainar um hospital e o escritório de um governador regional.

Entre os feridos, 189 estão hospitalizados com prognóstico severo, observa o Órgão de Gestão de Desastres (BNPB) neste sábado, 16, que afirma que os dados sobre as vítimas ainda estão sendo coletados. Eles ainda não especificaram um possível número de pessoas desaparecidas. 

As autoridades, preocupadas com um possível aumento de contágios covid-19 nesses campos, anunciaram que tentariam criar grupos de pessoas com base em riscos. "A situação em da Indonésia é urgente", alertou o projeto HOPE

O papa Francisco afirmou estar "entristecido" pelo terremoto e enviou sua solidariedade a todos os afetados, segundo um comunicado do Vaticano. "Rezo pelo repouso dos mortos, a recuperação dos feridos e o consolo de todos que estão de luto".

Dados mostraram que o fenômeno de sexta-feira foi semelhante ao de 1969, que provocou um tsunami e matou 64 pessoas em Sulawesi Ocidental. A região também sofreu em 2018, com um terremoto devastador,  de magnitude 6,2, e um tsunami subsequente  que atingiram a cidade de Palu, matando milhares de pessoas.

Vulcão

No sábado, 16, também ocorreu a erupção do vulcão Semeru, na província de Java Oriental do país. De acordo com dados da agência geológica do ministério de energia, cinzas e fumaça foram lançadas até 5,6 quilômetros no céu.

A Indonésia tem cerca de 130 vulcões ativos, mais do que qualquer outro país, e embora muitos mostrem altos níveis de atividade, pode ser semanas ou até meses antes de uma erupção. 

Vídeos postados nas redes sociais mostraram nuvens de cinzas se erguendo sobre casas. A agência de mitigação de desastres do país não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a possibilidade de evacuação. Outros vulcões, como o vulcão Merapi na ilha de Java e Sinabung em Sumatra, mostraram sinais de atividade recentemente./AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Tudo o que sabemos sobre:
Indonésia [Ásia]terremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.