Aumenta para 83 número de mortos nas Filipinas

As equipes de resgates lutam contra a chuva, o lodo e as inundações em busca de sobreviventes após os deslisamentos de terra e ondas imensas que devastaram os povoados do leste das Filipinas, em uma tragédia que pode ter matado 200 pessoas.Melchor Rosales, diretor-executivo do Centro Nacional de Coordenação de Desastres, disse que já são pelo menos 83 mortos, sendo 61 deles na província central de Leyte, a 450 quilômetros ao sul da capital Manila. Outras 123 pessoas estão desaparecidas.As autoridades temem que o número de vítimas fatais aumente devido às más condições climáticas, estradas bloqueadas e falta de eletricidade e linhas telefônicas que dificultam o trabalho de resgate.Sete dias de chuvas intermitentes e ventos provocaram inundações e deslizamentso de terras, além de ondas imensas nas províncias prósimas ao oceano Pacífico.A funcionária do governo Rosette Lerias disse, após visitar o devastado povoado de Punta, falou ao telefone com a AP, que "Punta era uma fotografia do cáos, com mais da metade de suas 83 casas destruídas. "Havia lodo em toda parte e não era póssível ver nada mais que os telhados das casas sobmersos no barro. Há escombros, madeira, roupas velhas e utensílios de cozinha por toda parte".A presidente filipina, Gloria Macapagal Arroyo, anunciou que os Estados Unidos ofereceram ajuda nas operações de resgate e enviaram um helicóptero Chinnok de sua base militar em Olinawa, no Japão. Afirmou ainda estar "entristecida" pelo fato desta tragédia ter ocorrido justamente na época do Natal.Segundo dados do governo, cerca de 100 mil pessoas foram gravemente afetadas pelo desastre em oito províncias do país asiático. Cerca de 8 mil pessoas foram abrigadas em albergues. Ainda segundo o serviço meteorológico filipino, o tempo continuará com baixas temperaturas e frente fria nas regiões afetadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.