Aumenta pressão para cessar-fogo imediato no Líbano

Enquanto os combates entre Israel e o Hezbollah chegam ao 17º dia nesta sexta-feira, com 600 mortos no Líbano, o primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, viaja rumo aos Estados Unidos para discutir a crise com o presidente George W. Bush. O presidente da França - um dos países que fazem parte do grupo G8 -, Jacques Chirac, disse nesta sexta que também irá pressionar, mas neste caso a ONU, por uma resolução rápida à favor do cessar-fogo na região libanesa.Após duas semanas de conflito, cresce o apoio do mundo árabe ao Hezbollah. Segundo o jornal The New York Times, há uma forte tendência da opinião árabe apoiar a milícia. Inicialmente, diz o jornal, os governos árabes criticaram o Hezbollah por provocar a guerra de forma imprudente. Agora a opinião no mundo árabe tem mudado. Enquanto países de maioria muçulmana sunita como Arábia Saudita, Jordânia e Egito criticam as ações do Hezbollah. Do lado israelense, 82% da população do país apóia os ataques contra o grupo extremista.No ocidente, cresce o movimento pelo cessar-fogo. Os ingleses querem uma resolução que apóie a criação da força internacional quando forem suspensas as hostilidades entre Israel e a milícia xiita libanesa Hezbollah. Sob pressão, o chefe de governo britânico se reunirá esta tarde em Washington com Bush para abordar, entre outras coisas, a crise no Oriente Médio. Proposta"Queremos acelerar o ritmo da diplomacia para identificar os passos necessários para obter um cessar-fogo e permitir ao governo libanês ampliar sua autoridade sobre todo o país, tornando realidade a resolução 1559 da ONU", ressaltou o porta-voz oficial. Essa resolução tem o objetivo de garantir a soberania e integridade territorial do Líbano, com o desarmamento da milícia xiita.O porta-voz britânico acrescentou que Blair reconhece que a população está muito preocupada com a morte de civis dos dois lados e acrescentou que a situação no Oriente Médio será um assunto prioritário durante a sua visita de cinco dias aos EUA.O clima no Reino Unido é de pressão para que os dois governantes peçam um imediato cessar-fogo. Reino Unido e EUA vêm sendo criticados por insistir num cessar-fogo durável. Além disso, o jornal The Independent publica na primeira página um pedido de cessar-fogo assinado por deputados, ex-embaixadores britânicos e membros de ONGs.Embora o encontro tenha sido marcado antes do começo dos ataques, segundo fontes oficiais, a reunião entre Bush e Blair vai se concentrar na crise no Oriente Médio.O Reino Unido e os EUA vêm sendo criticados por não buscar abertamente um imediato cessar-fogo e insistir numa trégua duradoura.Sob o título "Cessar-fogo, agora", as organizações Oxfam, Save the Children e Christian Aid, entre outras, expressam a sua profunda preocupação com a deterioração da situação no Líbano, na Faixa de Gaza e em Israel.Matéria atualizada às 11h21

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.