Aumenta pressão para saída de Blair após derrota trabalhista

O resultado das eleições locais realizadas quinta-feira na Inglaterra não deixa dúvidas: o Partido Conservador, de oposição, foi o grande vitorioso obtendo cerca de 40% dos votos e aumentando em 12 o número de conselhos, ou distritos, sob seu controle. Foi a melhor performance dos Tories em eleições locais desde 1992. Já o Partido Trabalhista, liberado pelo primeiro-ministro Tony Blair, saiu como o grande derrotado, atraindo o apoio de apenas cerca de 26% dos eleitores e perdendo o controle de dezoito conselhos. Além disso, o Labour Party corre o risco de ficar em terceiro lugar no total de votos, atrás dos liberais-democratas. Foi a pior performance já registrada pelos trabalhistas em eleições locais. O recado das urnas na avaliação de boa parte dos trabalhistas é claro: está na hora de Blair abandonar a liderança do partido e do governo. Segundo eles, ao antecipar sua saída, prevista para ocorrer apenas no final de 2007 ou em 2008, Blair abriria espaço para a ascensão do ministro das Finanças, Gordon Brown, que poderia tentar revigorar o partido antes das próximas eleições gerais, previstas para 2009 ou 2010. Brown disse que os resultados foram um "sinal de alerta" e que o partido Trabalhista terá que se auto-renovar para superar os desafios do futuro. Mas não está claro se essa pressão será suficiente para convencer Blair a abrir mão do poder antes do que pretende. Diante do resultado eleitoral desastroso, ele deve anunciar hoje várias mudanças em seu gabinete de ministros para tentar afastar a crise em torno dele. EscândalosO ministro do interior, Charles Clark,está na corda bamba pelo fato do governo ter liberado das prisões centenas de mil estrangeiros sem avaliar suas deportações. A imprensa britânica continua dando destaque a um caso extraconjugal do vice-primeiro-ministro, John Prescott, com uma de suas secretárias. Prescott deverá ser um dos ministros que perderá o cargo. A aprovação popular de Blair entrou numa trajetória de queda desde sua decisão de engajar o país na guerra no Iraque. Mais recentemente, as políticas sociais adotadas pelo governo trabalhista, principalmente na área de saúde e educação, estão sendo alvo de fortes críticas. Os conservadores acreditam que seu sucesso nas urnas é uma prova de que seu novo líder, David Cameron, está adotando uma estratégia correta em modernizar o partido e tem condições de levá-lo de volta ao poder nas próximas eleições gerais. Outro partido que se declara vitorioso é o British Nacional Party, de extrema direita e que defende propostas racistas. Ele mais do que dobrou o total de seus conselheiros, ou vereadores, eleitos na Inglaterra. Mas com pouco mais de 40 conselheiros eleitos, o BNP ainda tem representação ínfima pois existem cerca 20 mil conselheiros no país. Além disso, ainda não está claro se os extremistas contabilizaram avanços em seus votos somados. Apenas 36% dos eleitores habilitados votaram nas eleições locais, três pontos percentuais a menos do que no último pleito local, em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.