Aumentam apelos por libertação de jornalista seqüestrada

Representantes americanos no Iraque intensificaram hoje o empenho para conseguir a libertação da jornalista americana Jill Carroll, seqüestrada no último dia 7 em Bagdá, já que terminou o prazo do ultimato dado pelos seqüestradores.Membros do Conselho Islâmico dos Estados Unidos chegaram esta manhã a Bagdá para tentar negociar com os seqüestradores e libertar Carroll. O presidente da organização, Cor Ewlor, afirmou que "a jornalista Jill Carroll tem um limpo e patriótico histórico e sua libertação beneficiará o povo iraquiano e os muçulmanos dos Estados Unidos".A embaixada dos EUA em Bagdá mantém discrição sobre o assunto. O órgão não forneceu qualquer informação sobre as ações empreendidas para conseguir a libertação da repórter, que escrevia para o Christian Science Monitor. O governo dos EUA insistiu que não está disposto a "negociar com terroristas".Acabou ontem o prazo dado pelas "Brigadas da Vingança" para que os governos de Bagdá e Washington libertassem todas as iraquianas presas sob a ameaça de executar Carroll caso suas exigências não fossem atendidas.Nas últimas horas do prazo, seu pai, Jim Carroll, lançou um apelo desesperado através das televisões Al Arabiya e Al Jazira, as duas redes árabes de notícias de difusão internacional."Quero falar diretamente aos seqüestradores da minha filha, já que talvez sejam pais como eu: minha filha não tem nenhum poder para conseguir libertar ninguém", disse em declaração gravada em Washington.Em uma decisão que, oficialmente, não tem vinculação como seqüestro, o Ministério de Justiça iraquiano confirmou na quinta-feira que o Exército americano libertará seis mulheres.Um porta-voz do Ministério de Interior do Iraque explicou à EFE que elas fazem parte de um grupo de oito detidas por soldados norte-americanos e que seriam postas em liberdade em breve.Também permanece desconhecido o destino de quatro pacifistas cristãos - dois canadenses, um britânico e um americano -, um eletricista americano e um motorista jordaniano seqüestrados em dezembro no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.