Aumentam gastos militares no mundo

A Guerra Fria acabou há uma década,mas apesar disto os gastos militares voltaram a crescer,noticiou hoje um respeitado instituto pacifista. Nações em todo o mundo tiveram gastos militares de cerca deUS$ 798 bilhões no ano passado, um aumento de uns US$ 18 bilhõesem relação ao ano anterior, afirmou em seu relatório anual oInstituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (siglaem inglês, SIPRI). Muito dos gastos foi para manter os Estados Unidos como umasuperpotência militar, assim como o maior exportador de armas.Seu orçamento militar é de cerca de US$ 295 bilhões, ou 37% dosgastos militares de todo o mundo, calculou o SIPRI. E os EUAproduz cerca de metade de todos os armamentos vendidos no mundo.A americana Lockheed Martin Corp continua sendo o maiorfabricante de armas, e vendeu US$ 17,9 bilhões em 1999. As 15 nações da União Européia são em conjunto o segundo maiorprovedor mundial de armamentos, com cerca de 24% do total dasvendas. Os gastos militares mundiais diminuiram no geral nos anos 90,estabilizando-se a partir de 1998, de acordo com o SIPRI. O instituto apresentou seu relatório em Goteborg, sudoeste daSuécia, onde o presidente dos EUA, George W. Bush, deve chegarna quinta-feira a fim de reunir-se com o primeiro-ministroGoeran Persson e depois com os 15 chefes de governo e de Estadoda UE. Bush planeja desenvolver um caríssimo sistema de defesaantimísseis que iria fazer subir ainda mais os gastos militaresamericanos, aumentar o atual desequilíbrio militar em favor dosEUA e possivelmente provocar um corrida armamentista mundial,argumentam críticos. Houve 25 grandes conflitos armados ao redor do mundo durante oano 2000, comparados com os 27 do ano anterior, contabilizou oinstituto. Apenas dois não foram conflitos internos: da Eritréiacom a Etiópia e da Índia com o Paquistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.