REUTERS/Loren Elliott
REUTERS/Loren Elliott

Aumento de casos de covid-19 faz Austrália confinar 10 milhões de pessoas

Há algumas semanas, o país enfrenta um surto de casos, especialmente da variante Delta, altamente contagiosa, devido a falhas nos sistemas de quarentena para viajantes que chegam do exterior

Holly Robertson/AFP, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2021 | 10h00

Quase 10 milhões de australianos receberam a ordem para cumprimento de confinamento em várias cidades do país, que luta contra o aumento dos casos de covid-19

Depois dos moradores de Sydney (sudeste) — onde o lockdown será de duas semanas —, Darwin (norte) e Perth (oeste), os de Brisbane (leste) e várias áreas do estado de Queensland terão de ficar em casa a partir da noite desta terça-feira, por pelo menos menos três dias. 

Há algumas semanas, a Austrália, elogiada por sua resposta à pandemia, enfrenta um surto de casos, especialmente da variante Delta, altamente contagiosa, devido a falhas nos sistemas de quarentena para viajantes que chegam do exterior. 

"São decisões difíceis. Há confinamentos nas grandes cidades, porque o vírus entra com as chegadas do exterior", declarou a primeira-ministra de Queensland, Annastacia Palaszczuk.

Além de Brisbane, várias zonas do litoral de Queensland e, sobretudo, a pequena cidade de Townsville (norte), estão incluídas no confinamento. 

A medida foi tomada após a detecção de casos. Em um deles, um trabalhador da saúde que não estava vacinado viajou durante 10 dias por Queensland quando estava infectado.

Abordagem prudente

Os moradores de Perth também estão proibidos de sair de casa, em virtude do início, nesta terça-feira, do confinamento de quatro dias. 

Apenas três casos positivos foram detectados recentemente nesta grande cidade do oeste, que há muito tempo age com extrema cautela em relação à epidemia.

"Conhecemos os riscos que a covid apresenta e, observando o mundo, sabemos que a variante Delta é uma nova besta, com a qual não podemos nos arriscar", disse o primeiro-ministro da Austrália Ocidental, Mark McGowan, em entrevista coletiva na noite de segunda-feira.

Os confinamentos acontecem no meio das férias escolares. No setor turístico podem levar a muitos cancelamentos, já que os estados não afetados recomendam aos seus habitantes que não visitem aqueles que registram casos de covid-19.

Enquanto isso, a Nova Zelândia anunciou que reabrirá parcialmente sua "bolha" para viagens com a Austrália, a partir de 5 de julho — mas apenas com estados que não registraram casos.

O governo conservador australiano tem sido criticado pela lentidão da campanha de vacinação e pela falta de melhorias nos dispositivos de quarentena. 

Sob pressão, o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, anunciou que a vacinação será obrigatória para funcionários de instituições que cuidam de idosos e dos centros de quarentena. 

O governo também é criticado por não divulgar o número de australianos totalmente vacinados. 

Cerca de 7,4 milhões de doses foram administradas. Alguns veículos de comunicação afirmam, no entanto, que menos de 5% dos 25 milhões de australianos receberam as duas doses.

Desde o início da pandemia, a Austrália registrou pouco mais de 30.000 casos e, destes, 910 óbitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.