Reuters
Reuters

Ausências marcantes em Havana

Putin, que qualificou Fidel de amigo 'sincero e confiável' de seu país, alegou agenda apertada

Julio César Rivas / EFE, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2016 | 05h00

A ausência de líderes políticos mundiais no funeral de Fidel Castro, exceto a de países da região ou dos mais próximos ao regime, indica um rápido distanciamento da comunidade internacional da figura do líder cubano. Do Ocidente, só o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, iria à cerimônia marcada para ontem.

Mesmo o líder russo Vladimir Putin, que qualificou Fidel como um “sincero e confiável” amigo de seu país, alegou uma agenda apertada e enviou o presidente da Câmara dos Deputados como representante.

A ausência mais notável será a do premiê canadense, Justin Trudeau, cujo pai, Pierre Trudeau, manteve amizade de décadas com o ditador. Fidel esteve no funeral de Pierre, em 2000, em Montreal. Ele foi uma das personalidades que conduziu o caixão e deu um longo abraço em Justin. O líder canadense planejava ir a Havana, mas recuou diante das críticas.

O presidente Barack Obama, que impulsionou a histórica aproximação dos EUA com Cuba, mandou um de seus assessores de segurança, Ben Rodhes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.