Felipe Mortara/Estadão
Felipe Mortara/Estadão

Austrália aprova "imposto Google" contra evasão fiscal de multicionais

Governo espera arrecadar US$ 76 milhões por ano com a medida

O Estado de S.Paulo

28 de março de 2017 | 03h18

SYDNEI - O Senado da Austrália aprovou um imposto de 40% para as multinacionais que utilizem paraísos fiscais para evitar pagar tributos no país, conhecido como o "imposto Google", informaram nesta terça, 28, os meios de comunicação locais. O Imposto de Desvio do Benefício (DPT, na sigla em inglês), proposto pelo chefe do Tesouro, Scott Morrison, entrará em vigor em 1º de julho de 2017. 

Com a medida,o governo australiano espera arrecandar US$ 76 milhões de dólares anuais a partir do ano fiscal 2018-2019, segundo o portal Business Insider Australia. A taxa, superior aos 30% do imposto corporativo, se aplicará a multinacionais com lucro superior a US$ 763 milhões de dólares por ano. 

A Austrália é o segundo país a introduzir o chamado "imposto Google" depois do Reino Unido, que o fez em 2015. A luta contra a evasão fiscal de multicionais, que aproveitam vazios legais ou paraísos fiscais para evitar pagar impostos dos países onde geram lucros, foi assunto de destaque do G20 organizado pela Austrália em 2014. / EFE

 

Tudo o que sabemos sobre:
GoogleImpostoAustráliaReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.