Austrália avisa que não dará informação sobre médico indiano

Chefe da Polícia Federal afirma que investigação continua e que novas provas podem ser apresentadas

Efe,

01 de agosto de 2007 | 03h51

O ministro de Imigração da Austrália, Kevin Andrews, disse nesta quarta-feira, 1, que o governo não divulgará mais informação sobre o caso de Mohammed Haneef. O médico indiano passou quatro semanas detido por engano, sob suspeita de estar ligado aos atentados fracassados de junho no Reino Unido. O chefe da Polícia Federal, Mick Keelty, disse à imprensa que a investigação do caso continua e novas provas podem ser apresentadas, apesar de o médico estar na Índia. Haneef declarou que se considera vítima de uma "conspiração australiana" e que quer recuperar seu visto de trabalho na Austrália. Ele exigiu que as autoridades peçam perdão a todos os indianos pelo incidente. O médico foi acusado de "apoio imprudente a uma organização terrorista", devido à sua relação com seus primos, Kafeel e Sabeel Ahmed, que supostamente participaram dos atentados terroristas fracassados no Reino Unido. O advogado de Haneef, Peter Russo, acusou nesta quarta o governo australiano de encobrir os erros cometidos pela Polícia Federal, que desde o primeiro momento sugeria que o médico era uma das peças dos ataques no Reino Unido. No entanto, Haneef foi posto em liberdade, depois de a Promotoria retirar as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.