Austrália capta novos sinais da caixa-preta

Uma aeronave da Austrália que trabalha nas buscas pelo avião desaparecido da Malaysia Airlines captou um novo possível sinal da caixa-preta nesta quinta-feira. Os sons foram identificados na mesma área onde as equipes de buscas já haviam detectado os chamados "pings" da aeronave.

EDGAR MACIEL, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS, Agência Estado

10 de abril de 2014 | 07h45

O coordenador das investigações na costa oeste australiana, Angus Houston, disse que os sons devem ser analisados durante as próximas horas. "Os dados acústicos vão exigir uma análise mais aprofundada durante essa noite, com muita calma", disse.

Caso seja confirmado, este seria o quinto sinal detectado do voo MH370, que desapareceu no último dia 8 de março, com 239 pessoas a bordo. Na última terça-feira, o navio australiano Ocean Shield capturou dois sons por um extenso período de tempo. Ontem, outros dois novos sinais foram localizados. O primeiro durou 5 minutos e 32 segundo e o segundo, mais longo, de 7 minutos.

Para auxiliar na captura desses pings, a Marinha da Austrália tem instalado boias em áreas próximas às buscas. Cada boia está equipada com um hidrofone que escuta sons até 300 metros abaixo da superfície.

Área

Pelo segundo dia consecutivo, as autoridades australianas decidiram reduzir a área de busca no Oceano Índico, segundo fontes oficiais. O perímetro de resgate terá, a partir de agora, 57.923 quilômetros quadrados ante os 75.423 quilômetros quadrados de ontem, de acordo com o Centro de Coordenação de Agências Conjuntas.

Nas operações desta quinta-feira, participaram 10 aviões militares e quatro civis e outros 13 navios. Uma busca submarina foi realizada ao extremo norte da área, enquanto no sul foram o navio chinês Haixun 01 e o britânico Echo.

Tudo o que sabemos sobre:
MALÁSIABUSCAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.