Austrália começa 2022 com novo recorde de casos de covid-19

Austrália começa 2022 com novo recorde de casos de covid-19

Aumento de infecções atinge profissionais de saúde, levando à falta de funcionários justamente quando hospitalizações começam a crescer

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2022 | 11h36

A Austrália começou o ano de 2022 com um número recorde de novos casos de covid-19, à medida que aumentam os surtos nos estados do leste. Ao todo, foram registrados 33.161 casos neste sábado, 1º. Devido ao número de pessoas hospitalizadas, estados falam em flexibilizar suas regras de isolamento para profissionais de saúde.

Nova Gales do Sul, o estado mais populoso, e Victoria registraram, respectivamente, 22.577 e 7.442 casos neste sábado segundo dados do departamento de saúde. Quatro pessoas morreram no primeiro estado e nove no segundo, elevando o número nacional de óbitos para 2.250.

O país já havia superado seu recorde anterior de 32.946 infecções registrado na última sexta-feira, 31, antes mesmo que os números da Austrália do Sul, Austrália Ocidental e Território do Norte fossem divulgados.

Política de viver com a covid

Todos os estados australianos, exceto a Austrália Ocidental, começaram uma política de viver com o vírus após atingir níveis altos de vacinação. Com isso, houve maior flexibilização das restrições e, consequentemente, elevação dos casos.

O governo de Nova Gales do Sul mudou suas regras de auto-isolamento para trabalhadores de saúde assintomáticos que foram classificados como contato próximo de um caso confirmado, dando-lhes isenção caso sejam considerados essenciais para seu local de trabalho.

Ao longo da semana seguinte ao dia de Natal, os casos em Nova Gales do Sul mais do que triplicaram. As hospitalizações por covid-19 mais do que dobraram de 388 para 901, enquanto o número de pessoas em unidades de terapia intensiva aumentou cerca de 50% para 79.

Europa e EUA com recordes consecutivos

Em meio à circulação simultânea de duas variantes, a Delta e a Ômicron, diversos países da Europa e também os Estados Unidos registraram recordes de casos nos últimos dias. No Reino Unido, a falta de trabalhadores de saúde devido a contaminações e isolamento está levando a uma sobrecarga do sistema de saúde.

De acordo com os números divulgados na sexta-feira pelo serviço de saúde britânico, mais de 24.000 funcionários precisaram se isolar por estarem infectados com o coronavírus ou por serem casos de contato. É mais do que o dobro do registrado há um mês, quando menos de 12.000 funcionários se afastaram no final de novembro.

Esta falta de pessoal ocorre justamente quando o número de pacientes hospitalizados com covid-19 segue aumentando, com 1.900 admissões anunciadas na sexta-feira, 60% mais do que uma semana antes.

O número de infecções no Reino Unido atingiu níveis recorde, com mais 189.000 casos registrados na sexta-feira e 203 mortes, elevando o total para 148.624. 

Ainda assim, novas restrições na Inglaterra serão introduzidas apenas como último recurso, disse o ministro da Saúde Sajid Javid. Ele destacou que, embora as hospitalizações estejam crescendo, o número de internados em UTIs permanece estável.

Os recordes consecutivos, que levou o mundo a registrar mais de 1 milhão de infecções na terça-feira, 28, impactou as celebrações de Ano Novo, com Paris cancelando seu show de fogos de artifício, Londres relegando para a televisão e Nova York restringindo sua famosa celebração de lançamento da bola na Times Square./REUTERS E AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.