Austrália e China firmam acordo por Urânio

Austrália e China firmaram neste domingo em Camberra um acordo que permitirá à Pequim adquirir urânio australiano que será utilizado como combustível para seus arsenais de energia nuclear. O chefe da diplomacia australiana, Alexander Downer, e seu similar chinês, Li Zhaoxing, assinaram o tratado depois que os primeiros ministros de ambos países, John Howard e Wen Jiabao, se reuniram no parlamento. "Este acordo estabelece vanguardas e condições restritas para assegurar que o urânio australiano provido da China e qualquer programa de colaboração na aplicação de energia nuclear são utilizados para objetivos pacíficos", assegurou Downer. Antes de celebrar a assinatura do acordo sobre a venda de urânio australiano, Downer havia assegurado que não terá nenhum impacto no programa chinês de armas nucleares. "A China tem um programa de armas nucleares, gostando ou não... e não fará a menor diferença em seu programa mas sim na sua capacidade de desenvolver energia. China é o segundo maior usuário depois dos Estados Unidos.", manifestou o ministro australiano através da radio local ABC. Quanto mais energia nuclear tiverem, mais utilizarão energias limpas e será melhor também para a comunidade internacional na luta contra a emissão de gases que produzem o efeito invernoso" adicionou Downer. Austrália terá capacidade de controlar o destino do urânio produzido nas minas australianas. Se é para um propósito distinto do referido tratado, o veremos e será uma clara violação do tratado" explicou. Por sua parte o ministro da indústria australiana, Ian Macfarlane, declarou á "ABC" que o urânio de seu pais não chegará a China pelo menos até 2010 devido que a Austrália já tem comprometida toda sua produção nesse setor até 2008. Tem que recordar que a assinatura desse tratado é realmente apenas o início do processo. É necessário que a produzam negociações comerciais entre as empresas australianas que produzem urânio e as empresas chinesas que queiram comprá-lo." explicou Macfarlane.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.