Austrália e Nova Zelândia aceitam participar de força de paz

O primeiro-ministro da Austrália, John Howard, e a da Nova Zelândia, Helen Clark, disseram nesta terça-feira que estão dispostos a participar de uma força de paz no Líbano, nos moldesdefendidos pelo Alto Representante para Política Externa e de Segurança da União Européia, Javier Solana. Howard observou, porém, que para participar da missão a Austrália precisaria, entre outras coisas, de um detalhamento dos objetivos. Citado pela rádio ABC, Howard acrescentou que "a causa fundamental da atual violência é a negativa do mundo árabe a aceitar o direito de Israel a existir". Em entrevista coletiva na Nova Zelândia, Clark se comprometeu a fazer parte da força de paz se a ONU convencer as partes em conflito de assinar um cessar-fogo. No entanto, opinou que a ação israelense tem sido desproporcional e pediu que Israel permita o acesso da ajuda humanitária ao Líbano. A Nova Zelândia é um dos 43 países nas Nações Unida que assinaram uma declaração no Conselho de Segurança para pedir um cessar-fogo no conflito entre Israel e o Hezbollah.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.