Austrália e Nova Zelândia anunciam medidas anticrise

Entre as medidas estão garantir todos os depósitos bancários a varejo durante os próximos anos

EFE

12 de outubro de 2008 | 05h41

O ministro das Finanças da Nova Zelândia, Michael Cullen, anunciou neste domingo que seu Governo garantirá todos os depósitos bancários a varejo durante os dois próximos anos, para ajudar o setor a superar a crise financeira internacional. "A medida cobre a todos os depósitos a varejo de bancos de participação registrados na Nova Zelândia e depósitos a varejo em entidades financeiras. O que inclui sociedades de crédito imobiliário (building societies), cooperativas de crédito e companhia financeiras de captação de depósitos", detalhou o ministro, segundo a versão digital do jornal "The New Zealand Herald". A disposição estará livre de carga para instituições com um valor total de depósitos inferior a 5 bilhões de dólares neozelandeses (US$ 2,994 bilhões) e será aplicado um encargo anual do 10 pontos básicos para os que superem essa quantidade. Na Austrália, o primeiro-ministro Kevin Rudd anunciou neste domingo três medidas para combater a crise financeira. Tais disposições começam por garantir todos os depósitos bancários durante os próximos três anos e continuam por injetar outros 4 bilhões de dólares australianos (US$ 2,645 bilhões) em apoio do mercado hipotecário. O trabalhista Rudd acrescentou que a terceira medida é aprovar todos os financiamentos por atacado das sociedades bancárias australianas nos mercados internacionais. O governante confiou em que este conjunto de disposições ajudará os bancos australianos a superar a crise.

Tudo o que sabemos sobre:
AUSTRÁLIACRISENOVA ZELÂNDIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.