Austrália quer transferir refugiados para navio

A Austrália está aguardando uma decisão judicial de alta instância, prevista para amanhã, para remover na terça-feira 438 refugiados - do Afeganistão e de Sri-Lanka -, recolhidos por um cargueiro norueguês, para Papua Nova Guiné, utilizando um navio militar de transporte de tropas.O recurso à Justiça australiana partiu de advogados do Conselho de Vitória para as Liberdades Civis - uma organização não-governamental (ONG) australiana. A ONG opõe-se à recusa do governo australiano em conceder asilo aos refugiados e exige que sejam imediatamente acolhidos no país. "Vamos esperar o pronunciamento da Justiça, para ver que rumo daremos ao caso", disse o primeiro-ministro australiano, John Howard. A Justiça australiana vai colher amanhã por rádio depoimento do capitão do cargueiro Tampa, Arne Rinnan.O Tampa está ancorado perto da ilha australiana de Christmas, no Oceano Índico. O cargueiro recolheu os refugiados na semana passada, quando o barco indonésio que os transportava começou a afundar.O chanceler norueguês, Thorbjoen Jagland, classificou de "desumana" a decisão australiana de remover os refugiados para um navio militar. "A melhor solução seria deixá-los desembarcar em Christmas", afirmou. Segundo ele, o governo australiano está ignorando as leis internacionais.O plano australiano é reunir todos os refugiados no navio HMA Manoora (de transporte de tropas) que já se encontra ancorado perto do Tampa. "É uma embarcação relativamente confortável, adequada para o transporte desse pessoal", disse o primeiro-ministro australiano. O Manoora pode transportar até 450 soldados. Tem suprimentos para longa jornada e dispõe também de instalações hospitalares.Oficiais australianos subiram a bordo do cargueiro norueguês para explicar a situação aos refugiados. Eles serão levados inicialmente a Port Moresby (capital de Papua) e dali para a Nova Zelândia e a Ilha de Nauru (pequena república do Pacífico), que concordaram em lhes dar assilo. Para Nauru, iriam 238, e para a Nova Zelândia, 150. "Os asilados queriam ir para a Austrália, mas compreenderam que isso é impossível", disse um oficial australiano. "Eles aceitaram a alternativa."A informação do militar australiano foi confirmada em Oslo por um porta-voz da companhia Wilhelmsen, proprietária do Tampa, que recebe suprimentos por helicópteros da Marinha austráliana. O porta-voz da empresa norueguesa insistiu que o cargueiro está muito longe de ser uma embarcação adequada para abrigar os refugiados.O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, pediu uma solução rápida e humanitária para o governo de Sydney que pôs a Guarda Costeira em estado de alerta. Há informações de que outros refugiados, entre os quais cerca de 5 mil indonésios, estariam tentando chegar à Austrália.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.