U.S. Air Force via The New York Times
U.S. Air Force via The New York Times

Austrália suspende ataques aéreos na Síria após derrubada de caça e ameaças da Rússia

Moscou disse que irá tratar as aeronaves da coalizão que voam a oeste do Rio Eufrates como alvos em potencial, e admitiu que está mudando postura militar depois que os EUA abateram um avião militar sírio

O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2017 | 11h11

SYDNEY, AUSTRÁLIA - A Austrália informou nesta terça-feira, 20, que suspendeu temporariamente os ataques aéreos na Síria depois de os EUA derrubarem um caça militar sírio e da ameaça subsequente da Rússia contra aeronaves da coalizão liderada por Washington.

Moscou disse na véspera que irá tratar aeronaves da coalizão que voam a oeste do Rio Eufrates, na Síria, como alvos em potencial e rastreá-las com sistemas de mísseis e aeronaves militares, mas não chegou a dizer que pretende abatê-las.

"Como medida de precaução, as operações de ataque da Força de Defesa da Austrália (ADF) na Síria foram interrompidas temporariamente", informou o Departamento de Defesa australiano em um comunicado.

A Rússia deixou claro que está mudando sua postura militar em reação à derrubada do caça sírio no domingo, algo que Damasco disse ter sido o primeiro incidente do tipo desde o início do conflito no país, em 2011.

"O pessoal da ADF está monitorando atentamente a situação aérea na Síria, e uma decisão sobre a retomada das operações aéreas será tomada no devido momento", disse o Departamento de Defesa, acrescentando que suas operações no Iraque como parte da coalizão irão continuar. "A proteção da Força de Defesa da Austrália é revisada regularmente em resposta a uma série de ameaças em potencial.”

Na segunda-feira, o governo da Rússia anunciou a suspensão dos canais de comunicação com os EUA sobre a prevenção de incidentes aéreos na Síria. Moscou acusa Washington de não ter informado o Exército russo sobre a derrubada do avião. / REUTERS e AFP

Tudo o que sabemos sobre:
AustráliaEstados UnidosSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.