Australiana muda de grupo sanguíneo após transplante

Uma adolescente australianatornou-se a primeira paciente transplantada do mundo a mudar degrupo sanguíneo e a adotar o sistema imunológico do doador doórgão recebido, afirmaram médicos na sexta-feira, descrevendo ocaso como um "milagre de um em 6 bilhões". Demi-Lee Brennan, hoje com 15 anos de idade, recebeu ofígado de um doador quando tinha 9 anos porque o fígado delanão funcionava mais direito. "Isso foi como uma segunda chance de viver", afirmouBrennan a meios de comunicação australianos. "É meio difícil deacreditar." O corpo de Brennan mudou de O negativo para O positivoquando ela ficou doente na época em que recebia remédios paraevitar a rejeição, por seu sistema imunológico, do órgãotransplantado. As células-tronco do novo fígado invadiram então a medulaóssea da australiana e assumiram o comando de todo o sistemaimunológico, o que significa que a adolescente não mais precisatomar medicamentos para evitar a rejeição. Médicos do Hospital Pediátrico Westmead, em Sydney,disseram não ter nenhuma explicação para a recuperação deBrennan, contada em detalhes na mais recente edição da revistaThe New England Journal of Medicine. Stuart Dorney, ex-chefe da unidade de transplantes dohospital, disse que o caso de Brennan poderia resultar emavanços no tratamento de órgãos transplantados porque, emgeral, o sistema imunológico dos receptores ataca o materialvindo do doador. "Agora, precisamos reavaliar tudo o que aconteceu comDemi-Lee e ver por que isso aconteceu e se conseguiríamosrepetir isso", afirmou Dorney. "Achamos que o fenômeno deveu-se ao fato de termos usado ofígado de uma pessoa jovem e de Demi-Lee ter uma contagem baixade células brancas. Isso poderia explicar o ocorrido", disse omédico ao Daily Telegraph News. A rejeição costuma ser tratada com uma somatória demedicamentos, apesar de a rejeição crônica ser irreversível. Apenas sete de cada dez transplantes realizados naAustrália são bem-sucedidos após um período de cinco anos decomplicações resultantes de rejeição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.