Australiano é acusado de estuprar filha por 30 anos

Homem teria tido quatro filhos com a vítima; ministra está sob pressão para renunciar após o caso

BBC Brasil, BBC

17 de setembro de 2009 | 05h21

Um homem está sendo processado na Austrália por incesto e estupro depois de supostamente ter estuprado sua própria filha quase que diariamente e tido quatro filhos com ela ao longo de 30 anos. O homem está sendo chamado pela imprensa do país de "Fritzl australiano", em referência a Joseph Fritzl, o austríaco que aprisionou a própria filha no porão por 24 anos.

O caso australiano teria começado nos anos 70, quando a vítima tinha apenas 11 anos de idade. O pai teria ameaçado agredi-la caso ela revelasse os abusos a que era submetida.  Segundo o jornal australiano Herald Sun, de Melbourne, o homem foi preso em fevereiro depois de uma denúncia da vítima. O caso aconteceu no Estado de Victoria. O jornal afirma que as quatro crianças que nasceram da relação incestuosa tiveram problemas de saúde. Uma das crianças morreu.

 

Segundo o Herald Sun, a mulher teria denunciado o caso inicialmente em 2005, mas depois, por medo, se recusou a cooperar com a polícia. No entanto, no ano passado, ela voltou a denunciar o pai na polícia. As autoridades realizaram exames de DNA e apresentaram 83 acusações formais por abuso sexual contra ele.

O Herald Sun afirma que a mãe da vítima disse que nunca suspeitou dos estupros e do incesto. Ela disse que sua filha desconversava quando perguntada sobre a paternidade dos seus filhos.

O governo australiano está sob pressão devido ao caso, já que a família era acompanhada por assistentes sociais. A ministra de Serviços Comunitários da Austrália, Lisa Neville, disse ao Herald Sun que não pretende deixar o cargo.  Políticos da oposição na Austrália estão exigindo a saída da ministra devido ao caso.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
Austráliaincesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.