Australiano é condenado por jogar filha de ponte

Um homem que matou sua filha de 4 anos ao atirá-la de uma ponte na segunda maior cidade da Austrália, enquanto os irmãos da vítima viam a cena, foi condenado hoje à prisão perpétua. Arthur Freeman, de 37 anos, não apresentou qualquer reação quando o juiz Paul Coghlan da Suprema Corte de Victoria anunciou a sentença, determinada apesar da argumentação de Freeman de que ele estava com problemas mentais quando jogou sua filha Darcey.

AE, Agência Estado

11 de abril de 2011 | 19h26

"Jogar a filha de 4 anos de uma ponte de mais de 80 metros acima do solo não poderia ser mais horrível", disse Coghlan. "Os últimos pensamentos de Darcey devem ter sido não pensar e sua morte deve ter sido longa e dolorosa".

O juiz disse que Freeman matou a filha para se vingar da ex-mulher. Um dia antes da morte de Darcey, um tribunal havia reduzido o acesso de Freeman a seus filhos. Freeman viajava de carro com Darcey e seus dois irmãos de 2 e 6 anos por Melbourne, em 29 de janeiro de 2009, quando ele ligou para sua ex-mulher, Peta Barnes, e disse a ela para dizer adeus aos filhos.

Ele então parou o carro no acostamento da ponte, persuadiu a menina a sair do veículo e a pegou no colo. Os irmãos da menina viram quando Freeman a levou para a borda da ponte e a jogou. Freeman admitiu o assassinato, mas declarou-se inocente por questões de enfraquecimento mental. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
mortefilhaAustrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.