Australiano que ficou preso em Guantánamo relata torturas

Mamadouh Habib diz ter sido torturado na base, no Paquistão e no Egito; ele foi libertado em 2005

Efe,

28 de novembro de 2007 | 06h18

O australiano que passou três anos detido no centro de detenção americano de Guantánamo, e também no Paquistão e no Egito, relatou nesta quarta-feira, 28, a um tribunal como foi cruelmente torturado na presença de oficiais australianos e americanos. "Amarraram as minhas mãos atrás das costas e algemaram os meus pés. Fiquei nu, estendido com a cara no chão e em cima de mim havia um cachorro. Fizeram coisas sexuais", relatou Mamadouh Habib. Ele disse também que no Egito quebraram os dedos das suas mãos depois de arrancar as suas unhas. O depoimento fez parte de um processo por difamação que Habib move contra o Nationwide News, publicado pelo grupo de comunicação News Corp. Um de seus colunistas afirmou que o ex-detido mentiu ao dizer que tinha sido torturado. Habib contou que, no Paquistão, foi drogado durante os interrogatórios. Estava presente um oficial australiano, que ele identificou como Alastair Adams. Os narcóticos, acrescentou, chegaram a fazer que ele perdesse a memória e sentisse que tinha ficado louco. Ao lado de David Hicks, Habib ficou conhecido como um dos "talebans australianos". Ele foi detido no Paquistão, em outubro de 2001, levado ao Egito, e acabou no centro de detenção dos Estados Unidos na base de Guantánamo, em Cuba. Acabou libertado em 2005, sem acusações, e devolvido à Austrália. Após a sua saída de prisão, um ex-membro do serviço secreto australiano, Rod Barton, disse ter visto provas de torturas realizadas por oficiais australianos em detidos no Iraque, e informou o Ministério da Defesa. A declaração de Barton contradisse a versão oficial do governo conservador do ex-primeiro-ministro John Howard, derrotado nas eleições de sábado. Um júri popular concluiu que o artigo no Nationwide News era difamatório. Agora, estuda se Habib tem direito a uma compensação pelos danos. Habib também apresentou uma denúncia no Tribunal Federal de Sydney, acusando oficiais australianos de terem cometido crime de tortura entre 2001 e 2005.

Tudo o que sabemos sobre:
Guantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.