Peter Parks/AFP
Peter Parks/AFP

Australiano tenta vender componentes de mísseis da Coreia do Norte

Chan Choi, de 59 anos, foi preso pela polícia federal da Austrália por tentar vender armamentos em nome de Pyongyang

O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2017 | 04h08

SIDNEY - A polícia federal da Austrália disse ter prendido no sábado um homem acusado de agir como agente econômico em nome da Coreia do Norte, tentando ajudar o país, que sofre sanções econômicas a vender componentes de mísseis e outras tecnologias militares no exterior.

Chan Han Choi, de 59 anos, foi preso no subúrbio Eastwood, em Sidney, local onde mora. A polícia o acusou de violar as sanções impostas pela ONU e a lei australiana, por tentar fazer negociações comerciais em nome da Coreia do Norte. É a primeira vez que esse tipo de acusação ocorre na Austrália.

A prisão se dá na esteira da escalada de tensão na região, devido à testes nucleares e lançamentos de mísseis por parte do governo de Pyongyang, que desafiaram as sanções internacionais impostas.

Neil Gaughan, comissário assistente da polícia federal australiana, disse à imprensa que o senhor Choi foi acusado de tentar intermediar a venda de componentes de mísseis, incluindo software para orientação balística, e outras tecnologias militares norte-coreanas não especificadas. 

O senhor Choi é um cidadão australiano naturalizado que vive há mais de 30 anos no país. Alguns veículos de imprensa autralianos dizem que ele teria nascido na Coreia do Norte. 

 “Ele está fazendo isso por conta de um propósito patriótico. Acho que no fim do dia, ele venderia o que quer que fosse para conseguir dinhero para o governo norte-coreano.”

De acordo com a polícia, as provas sugerem que Choi estava em contato com altos oficiais da Coreia do Norte, mas não entrou em detalhes. Ele também teria tentado vender carvão em países como Indonésia e Vietnã, embora não haja evidências de envolvimento do governo desses países ou de seus oficiais. Esse tipo de transação violaria sanções internacionais que buscam isolar a Coreia do Norte da economia global. The investigation started this year after the police received information from a foreign law enforcement partner about a different matter.

Depois de meses de investigação metódica e cuidadosa, a polícia diz que descobriu provas de que Choi estava trabalhando para gerar renda para a Coreia do Norte. Se for condenado, ele pode pegar até 10 anos de cadeia.

“Ele parece ser um viajante disposto a se arriscar e explorar quaisquer falhas existentes na vigilância e em sanções”, disse Euan Graham, diretor do programa de segurança internacional do Lowy Institute. “Isso significa que os norte-coreanos ainda estão tentando acessar qualquer componente a que tenham acesso, mesmo em um país arriscado, como a Austrália

Por anos, a Coreia do Norte descobriu maneiras de burlar as sanções para obter tecnologia e conseguir dinheiro vendendo armas, dinheiro falso e drogas.

A Coreia do Norte não tem mais uma embaixada na Autrália em parte por causa de uma missão pra conseguir dinheiro que deu errado: em 2003, o Pong Su, um navio de carga que chegou à costa autraliana estava carregado com 124 kilos de heroína. A tripulação foi presa e posteriormente deportada.

A embaixada da Coreia do Norte fechou cinco anos depois, em 2008. Em 2013 o governo norte-coreano pediu para reabrir embaixada, mas a Austrália recusou.

"Essa investigação mostra que as sanções da ONU e da Austrália serão rigorosamente respeitadas" /NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.