Australianos condenados à morte na Indonésia por tráfico de drogas

Um tribunal de Bali condenou nesta terça-feira à morte os australianos Myuran Sukumaran, de 24 anos, e Andrew Chan, de 22, acusados de comandar uma frustrada operação para contrabandear 8,3 quilos de heroína para fora da Indonésia.Os juízes do tribunal de distrito de Denpasar disseram que Sukumaran foi declarado culpado de "exportar heroína em um grupo organizado". Foi a mesma sentença dada a Chan, que foi condenado à morte uma hora antes pelo mesmo tribunal.Sukumaran e Chan foram acusados também de ter "prejudicado a reputação internacional de Bali". Ambos foram detidos em abril, quando tentavam transportar 8,3 quilos de heroína da ilha indonésia de Bali para a Austrália.Chan foi detido no aeroporto de Denpasar, junto com outros quatro australianos que escondiam pacotes de heroína grudados nas pernas com fitas adesivas. A polícia encontrou o restante do grupo num hotel próximo com 350 gramas de heroína e fita adesiva idêntica a que tinha sido utilizada para embalar a droga.Os detidos alegaram que foram ameaçados de morte por Chan e Sukumaran, caso se negassem a transportar a heroína. Mas os juízes entenderam que não existia evidência de uso da força e os condenaram à prisão perpétua.N segunda-feira, os mesmos tribunais condenaram à prisão perpétua dois membros do grupo (Scott Rush, de 20 anos, e a única mulher da quadrilha, Renae Lawrence, de 28). Hoje, condenou outros dois (Martin Stephens, de 29 anos, e Michael Czugaj, de 20 anos) também à prisão perpétua, além de decidir pela execução dos dois líderes.Fica pendente o julgamento dos três últimos integrantes do grupo - Matthew Norman, 18 anos, Tach Duc Thanh Nguyen, 23, e Si Yi Chen, 20 - todos de nacionalidade australiana). Os veredictos serão lidos na quarta-feira, na capital balinesa.A pena de morte na Indonésia é feita por meio de um fuzilamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.