REUTERS/Leonhard Foeger
REUTERS/Leonhard Foeger

Áustria denuncia 'contratos secretos' de países europeus para comprar vacinas

Primeiro-ministro Sebastian Kurz fez acusação nesta sexta-feira, 12, sem mencionar o nome de nenhum envolvido, mas disse ter compartilhado indícios com outros governos do continente

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2021 | 12h00

VIENA - O primeiro-ministro da Áustria, Sebastian Kurz, afirmou nesta sexta-feira, 12, que países da União Europeia estariam fechando "contratos secretos" com laboratórios farmacêuticos para adquirir vacinas extras. A medida, se confirmada, fere a política oficial de compra e distribuição definida pelo bloco europeu.

"Há indícios que apontam para um mercado, onde acordos adicionais entre os Estados membros e empresas farmacêuticas foram fechados", acusou Kurz, sem revelar o nome de nenhum dos supostos envolvidos. Ele destacou que os contratos seriam secretos, o que não permitiu que ele os consultasse.

As informações sobre os supostos contratos, ainda de acordo com o premiê, foram compartilhadas com os governos de Bélgica, Grécia, Polônia, Eslovênia e República Tcheca.

"Muitos não acreditaram porque isto contradiz claramente o objetivo político da UE de uma distribuição equitativa", destacou. E completou: "Temos que encontrar quem assinou os contratos".

Distribuição desigual

Outra crítica de Kurz em suas declarações foi à distribuição desigual de vacinas entre os países-membros do bloco europeu. De acordo com o primeiro-ministro, Malta receberá até três vezes mais doses por habitante que a Bulgária até o meio do ano, enquanto a Holanda seria beneficiada com "duas vezes mais doses que a Croácia até o fim de junho". 

A Áustria está dentro da média europeia, segundo o primeiro-ministro.

A crítica de Kurz não é a primeira feita à União Europeia pela condução da campanha de vacinação. A cúpula do bloco vem sendo pressionada e criticada por autoridades dos Estados nacionais que exigem uma maior eficácia na obtenção e distribuição de doses de imunizante.

Na quinta-feira, 11, o bloco aprovou medidas para acelerar a campanha de vacinação. Enquanto a Comissão Europeia determinou o controle da exportação de vacinas até o fim de junho, a Agência Reguladora de Medicamentos (EMA) aprovou o uso do imunizante da Johnson & Johnson. As medidas combinadas, espera-se, aumentará a quantidade de doses a serem utilizadas em solo europeu./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.