Carlos Barria/Reuters
Carlos Barria/Reuters

Autodeclarado socialista, Sanders vira alvo preferencial de rivais democratas

Ascensão de senador divide o partido entre os seguidores e os defensores de um candidato que possa atrair eleitores conservadores

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2020 | 05h00

WASHINGTON - O senador Bernie Sanders tornou-se alvo preferencial de seus rivais democratas após a vitória contundente obtida por ele na primária de Nevada, no sábado. O difícil início de campanha do bilionário Michael Bloomberg – acusado pelos concorrentes de tentar “comprar a indicação” e ter adotado políticas discriminatórias ao governar Nova York – também contribuiu para que a artilharia passasse a se concentrar em Sanders.

O senador de 78 anos obteve em Nevada 46,8% dos votos, seguido do ex-vice-presidente Joe Biden (20,2%), do ex-prefeito Pete Buttigieg (14,3%) e da senadora Elizabeth Warren (9,7%). Com isso, assumiu a liderança na disputa pelos delegados que definirão a indicação, uma corrida ainda no começo. Sanders tem 45 delegados e são necessários 1.991 para levar a nomeação.

Um terço desses representantes será escolhido na chamada Superterça, dentro de seis dias. Nesse dia, 14 Estados vão escolher seus representantes, o que torna o vencedor o favorito na disputa democrata. 

No debate de terça-feira, dia 25, à noite, Sanders foi o alvo preferido dos oponentes. Só nos 10 minutos iniciais do encontro, o senador já havia sido fustigado por Buttigieg, Biden, Bloomberg, Warren e até Tom Steyer, candidato sem chance ser o escolhido pelo partido. 

“Estou ouvindo meu nome ser mencionado um pouco hoje à noite”, brincou sobre seu novo status de primeiro colocado na primária democrata. “Quero saber o porquê.”

Os ataques tiveram como alvo os planos de governo, principalmente a ideia da criação de um sistema de saúde público gratuito,  a sua possível distância do eleitorado negro e até sobre uma interferência russa para favorecer a sua eleição. 

A ascensão de Sanders divide o partido entre os seguidores do autodenominado “socialista democrático” e os defensores de um candidato que possa atrair eleitores conservadores. Pesquisas indicam que Sanders teria mais problemas para bater Donald Trump na eleição de novembro, justamente pela dificuldade de dialogar com eleitores de centro.

Para Entender

Como funciona a escolha do presidente dos EUA

No dia 3 de novembro de 2020, 224 milhões de eleitores americanos irão às urnas e darão seu veredicto sobre a presidência de Donald Trump; veja o que mais está em jogo

O programa do senador, que inclui um plano de assistência médica universal, é considerado radical pelos adversários. Eles criticam o senador por não esclarecer a fonte dos recursos para concretizar o projeto, tachado de “polarizador” por Buttigieg. 

A tentativa de garantir saúde universal é o mais frequente alvo de ataques, mas não o único. Biden acusa o senador de ter tentado minar a reeleição de Barack Obama em 2012. Bloomberg diz que Sanders ignora demandas de eleitores negros. 

Elogios à Cuba viram arma para adversários 

Elogios feitos por Sanders no domingo ao projeto educacional do cubano Fidel Castro despertaram a última onda de críticas. Sanders saudou o “massivo programa de alfabetização” do pelo mentor da Revolução Cubana, para em seguida condenar a natureza autoritária do regime. Biden criticou a “admiração” de Sanders pelo líder cubano, enquanto Bloomberg enfatizou a “herança sombria” de Fidel. Buttiegieg acusou o senador de “estimular as pessoas a ver um lado positivo no regime castrista”. 

Cinco ex-presos políticos cubanos publicaram uma carta em que lamentam o elogio a “um tirano”. “Sanders mente ou ignora o que ocorre em Cuba”, escreveu o grupo, que ainda acusou o senador de ser arrogante demais para pedir desculpa.

“Ensinar as pessoas a ler e escrever é uma coisa boa”, respondeu Sanders, para então reafirmar sua posição como “crítico dos regimes autoritários”. Ele ainda exaltou a China por ter tirado da pobreza extrema mais pessoas que qualquer outro, apesar de, segundo ele, ter um governo autoritário.

Originário do pequeno Estado de Vermont (623 mil habitantes, o segundo menos populoso do país), Sanders tem se destacado como orador. Em 2016, ele perdeu a indicação democrata para Hillary Clinton, derrotada por Trump. 

Recuperação. Biden, considerado o democrata com mais chances contra Trump antes do começo das primárias, joga suas fichas na votação de sábado da Carolina do Sul, Estado em que quase metade dos eleitores são negros. Biden chegou a ter 15 pontos de vantagem nas pesquisas na Carolina do Sul, mas as mais recentes o colocam menos de 10 pontos à frente de Sanders. 

Bloomberg, cujo desempenho no debate de quarta-feira foi ruim, não competirá na Carolina do Sul. Ele estreará apenas na Superterça, depois de investir mais de US$ 400 milhões de sua fortuna em propaganda. O bilionário tem insistido que a escolha de Sanders, único a sua frente nas pesquisas, levará à reeleição de Trump. / NYT, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.