Austin Community College via AP
Austin Community College via AP

Autor de ataques no Texas diz em vídeo que pretendia se explodir no McDonald's

Na gravação, Mark Anthony Conditt dá detalhes sobre como desenvolveu 'sete bombas' com o mesmo mecanismo e as diferenças entre cada uma delas, mas não menciona motivações de ódio ou terrorismo

O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 01h22
Atualizado 22 Março 2018 | 23h02

AUSTIN, EUA - O principal suspeito dos ataques com explosivos dos últimos dias em Austin, no Estado americano do Texas, Mark Anthony Conditt, deixou uma confissão gravada em vídeo antes de morrer, segundo informaram as autoridades locais na quarta-feira 21. No víde, ele revela que pretendia lançar um ataque suicida contra uma lanchonete do McDonald's. 

+ Suspeito procurado por explosões no Texas se mata durante perseguição policial

+ Os principais ataques a bombas nos Estados Unidos

Segundo o jornal Austin American-Statesman, o jovem se descreve no vídeo como um "psicopata", que foi molestado desde a infância e planejava se explodir no McDonald's diante do risco de prisão.

O chefe da polícia de Austin, Brian Manley, disse em entrevista coletiva que Conditt não mencionou "em nenhum momento" do vídeo motivações de ódio ou terrorismo. Do ponto de vista do agressor, as bombas seriam "o grito que um jovem deve dar para enfrentar os desafios de um homem na vida".

+ Após nova explosão de pacote-bomba, polícia do Texas procura por 'serial bomber'

+ Polícia investiga explosão de três pacotes no Texas e aponta para possibilidade de crime racial

No vídeo, que dura cerca de 25 minutos e foi gravado na noite de terça-feira, ele também dá detalhes sobre como desenvolveu "sete bombas" com o mesmo mecanismo e as diferenças entre cada uma delas.

Manley enviou uma mensagem tranquilizadora à população, explicando que as bombas mencionadas por Conditt foram localizadas: cinco explodiram, provocando a morte de duas pessoas, uma foi interceptada antes de explodir, e a última é a que ele mesmo explodiu ao se matar.

O governador do Texas, Greg Abbott, elogiou a atuação dos policiais, que "evitaram que o número de vítimas fosse maior com seu excelente trabalho".

Abbott transmitiu suas condolências aos parentes das vítimas e se referiu a Conditt como "uma pessoa com muitos problemas pessoais".

Agentes federais encontraram vários explosivos caseiros e os componentes necessários para fabricar bombas na casa onde o autor dos ataques morava, na cidade de Pflugerville, um subúrbio de Austin.

O agente especial do Escritório de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF), Fred Milanowski, afirmou com "um alto grau de certeza", segundo veículos de imprensa locais, que os componentes encontrados são os mesmos utilizados "em todas as bombas em Austin desde o início de março".

Um dos fatores que mais desconcertou as autoridades durante a investigação foi o grau de sofisticação dos artefatos. Milanowski disse que seguirão buscando provas para descobrir como Conditt aprendeu a fabricar as bombas.

Os pais do agressor publicaram um comunicado, divulgado pela emissora CNN, no qual declaravam estar "devastados e destroçados pela notícia". "Não tínhamos ideia da escuridão em que Mark esteve. A nossa família é normal em todos os sentidos. Neste momento, as nossas orações vão para aquelas famílias que perderam seus entes queridos ou foram afetadas de alguma maneira, e para a alma de nosso Mark", explicaram. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.