Autor de dossiê sobre armas de Saddam vira diretor do MI-6

O autor de um polêmico dossiê britânico sobre as supostas armas de destruição em massa do regime de Saddam Hussein foi promovido a diretor do serviço secreto britânico, o MI-6. Políticos de oposição protestaram contra a indicação de John Scarlett para o cargo. Segundo eles, o governo deveria ter aguardado a conclusão de um inquérito aberto para determinar o motivo pelo qual informações erradas sobre os programas de armas de Saddam foram incluídos em um documento divulgado para fundamentar a invasão do Iraque.Por sua vez, o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, disse que Scarlett foi escolhido por "seus méritos". De acordo com o chefe de governo, Scarlett é "um excelente servidor público que trabalhou tanto para governos conservadores quanto para governos trabalhistas" durante muitos anos."Penso que será uma infelicidade se essa questão for, de alguma forma, transformada em um assunto político", disse Blair durante entrevista coletiva concedida ao lado do presidente da Polônia, Aleksander Kwasniewski. Michael Howard, líder do oposicionista Partido Conservador, disse que Scarlett é personagem importante de um aparente erro dos serviços secretos, atualmente sob investigação governamental."John Scarlett certamente está no centro de uma investigação em andamento. Em minha opinião, a indicação de John Scarlett em um momento como esse é inadequada", sugeriu o líder oposicionista. Na época da divulgação do polêmico dossiê, Scarlett era presidente da Comissão Conjunta de Serviços Secretos do governo britânico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.