Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Autor do massacre de Charleston recorre de sentença de morte

Partidário da supremacia branca e simpatizante do nazismo e da organização racista Ku Klux Klan, Dylann Roof tinha 22 anos quando realizou o massacre em uma igreja na Carolina do Sul

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2020 | 20h32

WASHINGTON - O americano Dylann Roof recorreu na terça-feira da sentença que o condenou à pena de morte pelo assassinato de nove paroquianos negros em uma igreja na Carolina do Sul em 2015, um massacre motivado pelo racismo que chocou o mundo.

Partidário da supremacia branca e simpatizante do nazismo e da organização racista Ku Klux Klan, Roof, que tinha 22 anos quando realizou o massacre em Charleston, no sudeste dos Estados Unidos, foi autorizado a se defender em tribunal, apesar de sofrer "distúrbios do espectro esquizofrênico, autismo, ansiedade e depressão", como psiquiatras certificados disseram para seus advogados na apelação.

Roof abriu mão de contar com um advogado de defesa porque não queria que seus problemas psiquiátricos fossem revelados e porque acreditava que "a sentença não tinha importância porque os nacionalistas brancos o libertariam da prisão após uma iminente guerra racial".

No tribunal, os advogados do autor do massacre reprovaram a decisão de descartar as análises psiquiátricas "para avançar rapidamente com o caso". Em janeiro de 2017, um juiz federal o condenou formalmente à pena de morte. 

Em 17 de junho de 2015, Roof passou a integrar um grupo de estudo da bíblia na igreja Madre Emanuel, um símbolo da luta contra a escravidão, e minutos depois abriu fogo bo local, matando nove pessoas negras./AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.