Autor dos atentados estava na lista do serviço secreto da Noruega

Anders Behring Breivik comprou produtos químicos perigosos na Polônia em março

Agência Estado

25 de julho de 2011 | 16h08

Andres Behring Breivik sai escoltado de corte em Oslo após prestar depoimento

 

OSLO - O serviço secreto da Noruega, conhecido pelas iniciais PST, confirmou nesta segunda-feira, 25, que o nome de Anders Behring Breivik, suspeito dos ataques que na semana passada resultaram na morte de pelo menos 76 pessoas, constava de uma lista de cidadãos noruegueses que haviam feito compras de produtos químicos perigosos no exterior.

 

Veja também:

linkNoruegueses homenageiam vítimas

mais imagens GALERIA: A 'Marcha das Rosas' de Oslo

blog GUTERMAN: É isso aí a direita?

forum TOLEDO: Por que a Noruega?

forum OPINIÃO: Terror em Oslo

video VÍDEO: Os danos após a explosão em Oslo

blog ARQUIVO: Relembre ataques na Europa

 

Janne Kristiansen, diretora do PST, disse que Breivik entrou na lista depois de ter comprado um produto não revelado em uma loja de produtos químicos na Polônia. Ela disse à emissora de televisão NRK que a compra desencadeou um alerta porque a empresa polonesa já vinha sendo investigada.

 

Uma análise inicial, no entanto, demonstrou que a transação realizada em março deste ano havia ocorrido dentro da legalidade e que o PST precisaria de mais informações para aprofundar a investigação, disse Janne.

Breivik, extremista cristão, é autor confesso do duplo atentado que matou ao menos 76 pessoas na sexta-feira. No primeiro incidente, ele detonou explosivos em um edifício do governo em Oslo, matando ao menos oito. No segundo caso, ele entrou na ilha de Utoya vestido de policial e abriu fogo, matando 68. No loca, era realizado o encontro anual da juventude do Partido Trabalhista.

 

Nesta segunda, Breivik admitiu admitiu que trabalhava em conjunto com "duas outras células" para combater a "dominação muçulmana". A polícia investiga quem seriam os cúmplices do atirador. Antes, ele havia dito que agiu sozinho.

 

As declarações foram feitas na primeira audiência da qual participou. Ele não se declarou culpado. "Apesar do fato de o acusado ter admitido os fatos ocorridos, ele não se declarou culpado. A corte entende que o acusado acredita que ele precisava cometer estes atos para salvar a Noruega e a Europa ocidental, entre outras coisas, do 'marxismo cultural e da dominação muçulmana'", completou o juiz Kim Heger.

 

Leia mais:

link'Nenhum país está 100% seguro', diz premiê

linkAtirador admite que tinha cúmplices

linkVítimas postaram no Twitter antes de polícia ser avisada

 

Também nesta segunda, milhares de pessoas saíram ns ruas de Oslo e de outras cidades norueguesas para homenagear as vítimas dos atentados e seus familiares. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
NoruegaBreivikOsloUtoyaEuropaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.