Nancy Crampton Brophy / Facebook
Nancy Crampton Brophy / Facebook

Autora de ‘Como assassinar seu marido’ é acusada de matar o próprio marido nos EUA

Nancy Crampton Brophy, de 68 anos, foi presa sob acusação de atirar em Daniel Brophy quando ele estava no trabalho; policiais ainda não conseguiram determinar o motivo do crime

O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2018 | 11h56

A americana Nancy Crampton Brophy parecia gostar muito de escrever sobre assassinatos de cônjuges. Em The Wrong Cop (O policial errado, em tradução livre), a autora escreveu sobre uma mulher que “passava todos os dias do casamento sonhando em matar o marido”.

Em The Wrong Husband (O marido errado), uma mulher tenta fugir de um companheiro violento ao fingir a própria morte. E no ensaio Como matar seu marido, Nancy escreveu sobre como conseguir escapar do crime.

Ela publicou o texto em um blog em novembro de 2011, descrevendo cinco motivos principais para o assassinato e apontando diversas armas que ela poderia escolher se seu personagem fosse matar o marido na obra. Nancy desaconselhava contratar um assassino de aluguel ou utilizar veneno, por exemplo. “Quem quer ficar com um marido doente”, questionou.

Na vida real, ela parece ter seguido alguns de seus próprios conselhos. Nancy Crampton Brophy, de 68 anos, foi presa na quarta-feira, 5, acusada de assassinar o marido, Daniel Brophy, a tiros, de acordo com a polícia de Portland. O que as autoridades ainda não conseguiram determinar é o motivo do crime.

Os registros do tribunal indicam que ela foi encaminhada à prisão sem direito à fiança. O advogado dela não quis comentar o assunto.

Daniel Brophy, de 63 anos, foi baleado quando estava no trabalho, no Instituto de Culinária de Oregon, na manhã do dia 2 de junho. Uma emissora local informou que os alunos chegavam ao local das aulas quando viram a vítima sangrando na cozinha. A polícia não tinha nenhuma informação sobre suspeitos.

Dois dias depois, Nancy publicou um texto emotivo no Facebook, no qual citava sua luta para entender o que havia acontecido com o homem com o qual permaneceu casada durante 27 anos. Conforme as semanas passavam, os vizinhos dela percebiam que havia algo errado.

Relembre: EUA divulgam documentos sobre morte de Kennedy

Um deles, Don McConnell, afirmou que conversou com ela sobre a morte do marido e questionou o que poderia ter motivado a tragédia. “Perguntei ‘a polícia falou com você? E ela respondeu ‘não, sou uma suspeita’”, contou ele, acrescentando que pensou que Nancy era uma mulher muito forte por lidar com a situação daquele jeito frio.

Na quinta-feira, os promotores e o advogado de defesa de Nancy falaram pouco conforme ela ouvia as acusações que pesavam contra ela. A polícia não quis responder quais evidências levaram à prisão da americana ou o que levou os agentes a suspeitarem dela. / THE WASHINGTON POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.