Mohamed Nureldin Abdallah/Reuters
Mohamed Nureldin Abdallah/Reuters

Autoria do 11/9 afasta Al-Qaeda e Ahmadinejad

Revista de grupo terrorista repreende presidente do Irã por contestar a 'paternidade' dos ataques

/ NYT e AP, O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2011 | 03h02

A Al-Qaeda tem uma mensagem para o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad: chega de teorias da conspiração sobre o 11 de Setembro.

A última edição da revista de língua inglesa do grupo, Inspire, repreendeu o presidente do Irã por insistir que o governo americano - e não a Al-Qaeda - foi o responsável pelos ataques. Em seu discurso na Assembleia-Geral da ONU, na semana passada, Ahmadinejad sugeriu que o assassinato de Osama bin Laden, líder da Al-Qaeda, faria parte de uma sombria conspiração para esconder os reais autores dos atentados de 11 de setembro de 2001.

"Por que o Irã sustentaria uma crença ridícula como essa, que vai contra toda a lógica e evidências?", diz um artigo assinado por Abu Suhail. O texto, ironicamente, adota o nome que os líderes iranianos usam ao se referir à América:

"Se o Irã fosse genuíno na animosidade contra os EUA, seria interessante ver outra entidade golpear o Grande Satã, mas esse não é o caso. Para o Irã, o antiamericanismo é meramente um jogo político."

O autor acusa o Irã, país de maioria xiita, de não dar apoio ao grupo terrorista sunita por causa de uma longa animosidade religiosa e "ciúmes geopolítico".

"Para eles, a Al-Qaeda concorria pelos corações e mentes dos muçulmanos oprimidos no mundo. A Al-Qaeda, uma organização sob o fogo, sem Estado, foi bem sucedida naquilo que o Irã não conseguiu. Por isso, foi necessário para os iranianos desacreditar o 11/9, e qual é a melhor maneira de fazer isso? Teorias da Conspiração."

O artigo, marcado como "Opinião", aparece na página 4 da edição especial de outono de 2011, que comemora o 10.º aniversário dos ataques. A capa sobrepõe uma imagem gráfica das torres gêmeas do World Trade Center - uma feita com símbolos do dólar e a outra com os números um e zero - a um céu nublado. A manchete diz: "A melhor operação especial do todos os tempos".

O restante da edição é composta de fotografias do 11 de Setembro e da década seguinte, com foco nos ataques terroristas realizados pelo grupo, como as explosões em Madrid e Londres, assim como as tentativas frustradas pelas autoridades internacionais, como as bombas interceptadas no Iêmen e o fracassado atentado na Times Square.

Acredita-se que a Inspire, publicação destinada a muçulmanos radicais que falam inglês, seja um trabalho de Samir Khan, um saudita americano que se mudou para o Iêmen em 2009. A "edição especial" sobre o 11 de Setembro é a 7.ª publicada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.