Autoridade da China cancela eventos em Taiwan em meio a protestos violentos

A principal autoridade encarregada das relações com Taiwan, voltou a Pequim, chamando sua visita à ilha autônoma como “histórica”, apesar dos protestos violentos que o forçaram a cancelar várias reuniões.

FAITH HUNG, REUTERS

29 de junho de 2014 | 11h18

A visita de Zhang Zhijun, diretor do Escritório de Assuntos ligados a Taiwan, da China, foi a primeira viagem de uma autoridade tão graduada em 65 anos, desde que os Nacionalistas fugiram, depois de perder uma guerra civil para os comunistas da China, em 1949.

Ao longo dos seus quatro dias de visita à ilha, Zhang foi recebido por manifestantes, inclusive na estação de trem de alta velocidade no porto, pró-independência, de Kaohsiung, na sexta-feira. Havia centenas de manifestantes reunidos, alguns agitando cartazes onde se lia: “Comunista Zhang Zhijun, volte para a China.”

Os manifestantes da cidade se tornaram violentos, e a certa altura, tentaram derramar tinta branca em Zhang, mas erraram o alvo e em vez disso, acabaram sujando a equipe de seguranças. Alguns manifestantes estavam ensanguentados após conflitos com a polícia

Uma autoridade do Conselho de Negócios do Continente de Taiwan disse à Reuters por telefone que, três aparições públicas de Zhang foram canceladas no sábado, depois dos protestos.

“As aparições públicas foram canceladas devido aos acontecimentos,” disse o funcionário que não estava autorizado a falar com a imprensa.

Um dos eventos, em uma feira realizada em um templo muito conhecido em Kaohsiung, foi cancelado devido a preocupações com a segurança de Zhang, disse a autoridade.

Centenas de manifestantes pró-independência, carregando faixas, estavam no Aeroporto Internacional de Taoyuan, perto de Taipé, no sábado, quando Zhang se preparava para partir para o continente.

A visita era vista como parte da ofensiva de sedução da China, com relação a Taiwan, onde muitos continuam desconfiados em relação a um pacto de comércio pendente e projetos políticos autocráticos da China, para a ilha governada democraticamente.

Falando para a imprensa estatal depois de voltar para Pequim, no sábado, Zhang ignorou os protestos e considerou a viagem um sucesso.

“Essa visita recebeu boas vindas entusiasmadas de todos os povos e classes de Taiwan. Apesar das diferentes opiniões, a vontade popular é extremamente clara", atribuiu a agência de notícias Xinhua a Zhang.

“Todos, sem exceção, acreditam que o desenvolvimento pacífico das relações entre China e Taiwan é o caminho certo e traz benefícios reais para as pessoas dos dois lados. Todos acreditam que devemos continuar nesse caminho”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINATAIWANPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.