Autoridade nuclear norte-coreana visitará EUA para diálogo

Pyongyang tem mostrado disposição para retornar à mesa de negociações sobre fim de programa nuclear

Associated Press,

12 de fevereiro de 2010 | 09h11

Um alto funcionário da Coreia do Norte visitará os EUA para um raro diálogo bilateral em fevereiro, informou uma agência de notícias sul-coreana nesta sexta-feira, 12, em um momento que os diplomatas pressionam pela retomada das negociações sobre o fim do programa nuclear norte-coreano.

 

Segundo a agência Yonhap, uma das principais autoridades nucleares da Coreia do Norte, Kim Kye Gwan, viajará aos EUA em março. Em Washington, um porta-voz do Departamento de Estado disse no fim da quinta-feira que não havia sido informado da notícia.

VEJA TAMBÉM:
Cronologia : A ameaça nuclear norte-coreana
Especial: As origens do impasse

 

Um encontro bilateral entre o norte-coreano e autoridades americanas seria um forte indício de que os esforços para retomar as negociações sobre o programa nuclear de Pyongyang podem estar ganhando força. A reunião também confirmaria uma melhora nas relações entre os EUA e a Coreia do Norte, que não mantém laços diplomáticos oficiais.

 

Os norte-coreanos deixaram a mesa de negociações no ano passado após o Conselho de Segurança da ONU impor sanções ao país pro conta de testes com mísseis realizados em maio. Os EUA e outros países acreditam que a Coreia do Norte possa estar investindo em seu arsenal nuclear.

 

Mais cedo, o porta-voz oficial do Departamento de Estado, P. J. Crowley, disse que as autoridades americanas não haviam agendado uma reunião com os norte-coreanos, mas "acreditam firmemente que o próximo encontro terá seis partes negociantes". O representante referiu-se aos EUA e à Coreia do Norte e aos outros quatro países envolvidos nas negociações - China, Coreia do Sul, Japão e Rússia.

 

A Coreia do Norte exige um abrandamento das sanções e a assinatura de um acordo que encerre formalmente a Guerra da Coreia do início doa anos 50. Tóquio, Washington e Seul pedem que Pyongyang mostre avanços no processo de desarmamento nuclear antes de atender as exigências norte-coreanas.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteEUAprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.