Atef Safadi/Reuters
Atef Safadi/Reuters

Autoridade Palestina pode rejeitar ajuda dos EUA por acordo com Hamas

Mahmoud Abbas busca reconciliação com facção radical antes de levar negociações de paz à ONU

Agência Estado

28 de março de 2011 | 18h05

RAMALLAH - O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, tenta uma reconciliação com o Hamas, grupo que governa a Faixa de Gaza, e parece disposto a abrir mão de milhões de dólares em ajuda dos EUA se isso levar a um acordo de unidade, afirmou Azzam Ahmed, conselheiro do líder palestino.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

 

As declarações são um sinal de que Abbas está desistindo das negociações de paz paralisadas com Israel e prefere tentar a unidade com o Hamas. "Obviamente precisamos do dinheiro dos EUA. Mas se eles o usam como uma forma de nos pressionar, estamos prontos para abrir mão dessa ajuda", disse Ahmed.

 

Israel, EUA e União Europeia (UE) consideram o Hamas um grupo terrorista por causa do lançamento de foguetes e atentados suicidas contra civis israelenses. O governo americano, o maior doador único para os palestinos, reteve recursos no curto período no qual o Hamas integrou um governo de unidade palestino. A ANP depende fortemente de ajuda estrangeira e renunciar a esses recursos pode facilmente dar início a uma nova crise.

 

O governo de unidade palestino, isolado internacionalmente por causa da recusa do Hamas em reconhecer o direito de existência de Israel, entrou em colapso durante os cinco dias de guerra civil em 2007, que terminaram com o grupo islâmico tomando o poder na Faixa de Gaza. Desde então, os palestinos estão divididos entre dois governos rivais na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, os dois territórios que esperam transformar num Estado independente.

 

Com a paralisação das negociações de paz desde setembro, Abbas iniciou esforços para conquistar o reconhecimento internacional para a Palestina, com ou sem a concordância de Israel. Esses esforços devem se encerrar em setembro, na Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Reconciliação

 

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, advertiu que a reconciliação com o Hamas pode encerrar as negociações de paz com a ANP. "Não se pode ter a paz com Israel e o Hamas. Escolha a paz com Israel", disse Netanyahu.

 

Autoridades palestinas reconhecem que têm de resolver suas diferenças com o Hamas antes de irem para a ONU. Abbas tem feito repetidas propostas ao Hamas nas últimas semanas - incluindo uma oferta para visitar Gaza e organizar eleições nacionais. No fim de semana, ele se reuniu com funcionários do Hamas na Cisjordânia. "O presidente está trabalhando duro para unir os territórios palestinos antes de ir até a ONU", disse Ahmed.

 

Líderes do Hamas disseram que querem um acordo completo de compartilhamento de poder antes de se reunir com o presidente palestino, incluindo um acordo sobre como dividir as responsabilidades de segurança. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.