JEFF PACHOUD/AFP
JEFF PACHOUD/AFP

Autoridades buscam pistas sobre copiloto da Germanwings

Análise das possíveis provas levará "algum tempo" e promotoria informará os familiares das vítimas e a imprensa de qualquer novidade essencial na investigação

O Estado de S. Paulo

26 Março 2015 | 19h38

 

DUSSELFÖRF, ALEMANHA - A promotoria de Düsseldorf, na Alemanha, informou nesta quinta-feira que está investigando o copiloto Andreas Lubitz para reunir "documentos pessoais" que ajudem a esclarecer os motivos que o levaram a deliberadamente derrubar o avião.

Em comunicado, a promotoria explicou que a análise das possíveis provas levará "algum tempo" e que informará os familiares das vítimas e a imprensa de qualquer novidade essencial na investigação.

Buscas foram realizadas pela polícia de Düsseldorf com autorização da justiça, foram determinadas pelas autoridades francesas com base nos primeiros resultados divulgados hoje pela promotoria de Marselha, acrescentou o texto.

A promotoria de Düsseldorf assumiu a instrução em todo o país, já que uma parte significativa das vítimas de nacionalidade alemã morava na Renânia do Norte-Vestfália, estado cuja capital é Düsseldorf.

 Lubitz tinha passado por todos os testes necessários para avaliar sua capacidade de pilotar e não dava nenhum sinal de ter problemas pessoais, afirmaram ontem seus empregadores e a imprensa alemã. Com 28 anos, ele trabalhava para a Germanwings - uma subsidiária da Lufthansa - desde setembro de 2013 e acumulava 630 horas de voo sem nenhum registro de incidente.

O copiloto do avião que se chocou contra os Alpes dividia seu tempo livre entre a casa dos pais, na cidade de Montabaur, no Estado alemão de Renânia-Palatinado, e seu pequeno apartamento em Dusseldorf. De acordo com o ministro do Interior alemão, Thomas de Maiziere, Lubitz não tinha nenhuma associação conhecida com radicais ou grupos terroristas. 

O diretor executivo da Lufthansa, Carsten Spohr, afirmou que Lubitz tinha passado em todos os testes médicos e de aviação após seu treinamento de voo, que começou em 2008 - e foi interrompido por três meses. Spohr não revelou por que motivo ele interrompeu o curso. Lubitz trabalhou por 11 meses como comissário de bordo para a Germanwings enquanto aguardava a abertura de uma vaga de piloto na companhia. / EFE e NYT

Mais conteúdo sobre:
Germanwings Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.