Autoridades chinesas libertam bispo da Igreja Católica

O bispo Julius Jia Zhiguo, da Igreja Católica fiel a Roma e não reconhecida por Pequim, foi posto em liberdade, informou a agência vaticana "Asianews". Jia Zhiguo voltou para sua casa, na localidade chinesa de Zhengding, na segunda-feira passada à noite, depois de mais de 10 meses de seqüestro para "sessões de estudo".O bispo, segundo fontes citadas pela "Asianews", está em condições de "plena liberdade" e pode receber visitas dos sacerdotes de sua diocese. Antes da detenção, mesmo em sua casa, sofria umisolamento total.Ele foi detido no dia 8 de novembro de 2005, pela oitava vez em dois anos. Parte da imprensa informou a sua libertação em maio, mas só agora ele foi efetivamente solto, acrescenta a fonte. Jian Zhiguo, de 70 anos, bispo desde 1980, passou 20 anos na prisão. Ele é responsável por uma das dioceses de Hebei, a região de maior concentração de católicos, com quase 1,5 milhão de fiéis. A ruptura de relações entre China e Vaticano aconteceu em 1957, quando o Papa Pio XII excomungou dois bispos designados pelo governo chinês. Em resposta, o então presidente, Mao Tsé-Tung, criou a Igreja Patriótica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.