Wilfredo Lee/AP
Wilfredo Lee/AP

Autoridades confirmam mais 2 mortos na Flórida e número de vítimas sobe para 11

Chefe dos bombeiros de Miami-Dade, Andy Alvarez, informou à rede de TV ABC que foram encontrados bolsões de ar dentro do prédio onde poderia haver sobreviventes

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2021 | 21h56

SURFSIDE - O número de mortos no desabamento de um prédio em Surfside, na Flórida, subiu nesta segunda-feira para 11, enquanto prosseguiam as buscas por 150 desaparecidos, cinco dias após a tragédia.  Especialistas analisavam possíveis falhas existentes no imóvel de 12 andares do complexo Champlain Towers, que desabou na madrugada de quinta-feira em Surfside, a cerca de 20 quilômetros do centro de Miami.

Desafiados pelo calor, socorristas da Flórida, apoiados por equipes de Israel e do México, vasculhavam os escombros dos 55 apartamentos. "Nas últimas horas, nossos homens resgataram outra vítima. No total, o número de pessoas contabilizadas é de 136, com 150 desaparecidos. O número de mortes confirmadas é, tragicamente, 11", disse em entrevista coletiva a prefeita do Condado de Miami-Dade, Daniella Cava.

O chefe dos bombeiros de Miami-Dade, Andy Alvarez, informou à rede de TV ABC que foram encontrados bolsões de ar dentro do prédio onde poderia haver sobreviventes. "Temos esperança de resgatar alguém vivo", disse.

Dois cidadãos venezuelanos estão entre os mortos confirmados. Seus corpos foram encontrados no fim de semana, informou a polícia de Miami-Dade. O casal morava na unidade 704 do prédio, informaram as filhas Daniela e Gabriela em um tuíte.

Vinte e nove latinos

No total, há 29 latino-americanos dos quais não se tem notícias: 9 da Argentina, 6 da Colômbia, 6 do Paraguai, 4 da Venezuela, 3 do Uruguai e 1 do Chile. Funcionários consulares indicaram que quatro canadenses podem ter sido "afetados".

Entre os latino-americanos desaparecidos estavam Sophia López Moreira, cunhada do presidente do Paraguai, seu marido, Luis Pettengill, e três filhos, além de Lady Luna Villalba, que viajou com eles como babá, segundo informações do governo paraguaio.

O advogado chileno Claudio Bonnefoy, parente da ex-presidente chilena Michelle Bachelet, também está entre os procurados. Sua filha, Pascale Bonnefoy, que viajou a Miami para acompanhar de perto os esforços de resgate, destacou o trabalho implacáve" dos socorristas, mas pediu o avanço das investigações.

“Recebemos muita solidariedade e tem sido muito bom, mas acho que o que temos de fazer é investigar as causas”, declarou à CNN.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que já declarou estado de emergência que permite ajuda federal, disse que o governo está pronto para qualquer apoio ou assistência necessária.

Chamadas de um telefone fixo

Localizada em frente ao mar, a torre sul do complexo Champlain Towers desabou por volta da 1h (2h de Brasília) do dia 24 de junho. O vídeo de vigilância registrou a queda em segundos.

Uma das socorristas, Maggie Castro, do Corpo de Bombeiros de Miami-Dade, disse que provavelmente as pessoas estavam na cama quando isso acontece", então é improvável que você encontre muitas ao mesmo tempo. "Parece lento, mas estamos avançando o mais rápido possível", assegurou à agência France Presse.

O neto de um casal desaparecido, Arnie e Myriam Notkin, disse que sua família recebeu 16 ligações do telefone fixo de seus avós, embora tenham ouvido apenas ruídos.

"Estamos tentando entender o que está acontecendo", disse Jake Samuelson ao noticiário Local 10, sem saber se as ligações eram de seus avós ou se foram devido a uma falha mecânica. As últimas foram na sexta-feira.

Dois guindastes e cães farejadores ajudavam no trabalho de busca e resgate. As equipes cavaram uma enorme trincheira através da montanha de concreto e ferro retorcidos, disseram autoridades, apontando que todos os escombros com valor forense estavam sendo levados para um grande depósito para ser inspecionado. “Haverá uma investigação exaustiva e completa dos motivos que levaram a esta tragédia”, prometeu Levine Cava.

Um relatório de 2018 sobre o estado do edifício já indicava danos estruturais significativos, bem como rachaduras na garagem do edifício, segundo documentos publicados na sexta-feira.

“A impermeabilização sob a borda da piscina e da via de acesso para veículos (...) ultrapassou sua vida útil e por isso deve ser totalmente removida e substituída”, destacou o especialista Frank Morabito, diretor da Morabito Consultores, solicitando reparos dentro de um prazo razoável, sem apontar para um risco de colapso.

O edifício, construído em 1981, havia programado que os reparos começassem  em breve e já havia dado início às obras da cobertura.

O prefeito de Surfside, Charles Burkett, disse que acomodações estão sendo procuradas para qualquer um que deseje deixar o prédio quase idêntico à torre localizado a um quarteirão de distância, embora nenhum problema estrutural tenha sido identificado ali./AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.