Autoridades da China prendem 11 pessoas por deslizamento de terra em Shenzen

No mês passado, montanha de resíduos de construção que havia sido levantada contra uma colina desmoronou durante chuvas fortes, matou 12 pessoas e deixou 62 desaparecidos

O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2016 | 10h55

Pequim - Autoridades do sul da China prenderam 11 pessoas depois que um deslizamento de terra em um local de despejo de resíduos de construção matou 12 pessoas e deixou 62 desaparecidos no mês passado. Promotores da cidade de Shenzhen, em um comunicado na quinta-feira, disseram que um despachante e o supervisor do local, além do gerente chefe e o vice de uma empresa responsável pela operação de descarga, estavam entre os presos.

Em 20 de dezembro, uma montanha de resíduos de construção que havia sido levantada contra uma colina desmoronou durante chuvas fortes, atingindo um parque industrial de Shenzhen. A cidade, que fica perto de Hong Kong, produz bens que vão desde telefones celulares a carros, e atrai trabalhadores de todas as partes da China.

Os promotores disseram que as 11 pessoas foram acusadas da negligência que teria causado o grave acidente. Eles também pediram que a polícia rastreie outros suspeitos.

Um funcionário no distrito onde o aterro foi localizado pulou de um prédio cerca de uma semana após o desastre. Não estava claro se o homem, identificado apenas pelo sobrenome Xu, estava sob investigação a respeito do deslizamento de terra. No entanto, como chefe do Escritório de Gestão Urbana do distrito, suas responsabilidades gerais incluiriam as que regulam as empresas e locais de construção na área.

Especialistas têm chamado o deslizamento de terra de um desastre provocado pelo homem, levantando a possibilidade de sanções duras para qualquer responsável. Apesar da ameaça de prisão sobre acidentes industriais graves, a falta de supervisão regulatória e o corte de custos muitas vezes levam a desastres mortais na China. / Dow Jones Newswires

 

Mais conteúdo sobre:
PequimChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.