Autoridades da Rússia e Ucrânia se reúnem para definir 'zona tampão'

Encontro é primeira medida concreta após acordo de cessar-fogo; região no leste ucraniano deverá ser neutra e livre de artilharia

O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2014 | 12h16

KIEV - Autoridades do alto escalão militar russo e ucraniano se reuniram nesta sexta-feira, 26, para definir os limites de uma "zona tampão" de 30 quilômetros proposta para o leste da Ucrânia, a partir da qual as forças do governo e os separatistas irão recuar, disseram militares de Kiev.

Em Moscou, um alto funcionário do Kremlin informou que o presidente russo, Vladimir Putin, e o ucraniano, Petro Poroshenko, conversaram por telefone e discutiram a possibilidade de se encontrarem sozinhos ou com os líderes da Alemanha e França, mas as datas ainda não foram definidas.

Segundo as autoridades militares ucranianas, um grupo tripartite, com 76 oficiais militares russos e representantes da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), reuniu-se nesta sexta ao norte da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia.

Representantes da Ucrânia, Rússia e da OSCE concordaram no dia 19, durante uma reunião na capital bielo-russa, Minsk, em estabelecer uma zona neutra e remover da área artilharia, armas pesadas e minas, como parte das medidas para solidificar o cessar-fogo pactuado no dia 5. A reunião para criar a "zona tampão" foi a primeira medida concreta depois do cessar-fogo.

"Esse grupo, em particular, trabalhará na definição das linhas de separação e da chamada zona tampão", disse o porta-voz militar ucraniano Andriy Lisenko. "Acompanhará o cumprimento dos acordos (de Minsk), separar as partes em conflito e garantir a manutenção desta zona de 30 km", declarou outro oficial militar, Vladyslav Selezyov.

A Rússia nega qualquer envolvimento militar direto no conflito, no qual mais de 3 mil pessoas foram mortas, ou que esteja armando os separatistas, apesar de o governo da Ucrânia e países ocidentais dizerem que há provas conclusivas sobre isso. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.