Autoridades da UE foram alvo de espionagem, diz revista

Autoridades da União Europeia estiveram entre os "alvos" do programa de espionagem de Washington pela internet, com a instalação de aparelhos de escuta em escritórios da UE em Bruxelas e nos EUA, informou a revista alemã Der Spiegel em edição semanal a ser publicada neste domingo.

AE, Agência Estado

29 de junho de 2013 | 20h54

A alegação é baseada em documentos confidenciais aos quais a Der Spiegel teve acesso parcial por meio de Edward Snowden, o oficial de inteligência norte-americano que recentemente revelou detalhes do programa de vigilância operado pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos EUA, conhecido como PRISM.

Um dos documentos, datado de setembro de 2010 e classificado como "estritamente confidencial", descreve como a NSA monitorou a missão diplomática da UE em Washington, segundo a revista. Microfones foram instalados no prédio ocupado pela missão e a rede de computadores local foi infiltrada, dando à agência acesso a e-mails e documentos internos.

Representantes da UE nas Nações Unidas foram vítimas de vigilância semelhante, informou a Der Spiegel, acrescentando que os documentos se referiam explicitamente aos europeus como "alvos".

A espionagem se estendeu à sede do bloco de 27 países em Bruxelas, disse a publicação, citando um incidente ocorrido há "mais de cinco anos", quando especialistas de segurança da UE descobriram equipamentos de escuta no edifício Justus Lipsius. Em 2003, a UE anunciou a descoberta de que telefones de escritórios de vários países no prédio - incluindo Alemanha, Reino Unido e França - haviam sido grampeados. A Der Spiegel, no entanto, não deixa claro se estava se referindo a esse caso.

Em reação publicada no site da revista, o chefe do Parlamento Europeu, Martin Schulz, disse que mais informações são necessárias, mas fez a ressalva de que se as alegações forem verdadeiras, será "um enorme escândalo". "Isso causaria tensão nas relações entre a UE e os EUA", comentou. Com informações da Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
EUROPAEUAESPIONAGEM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.