Nicholas Kamm|AFP
Nicholas Kamm|AFP

Autoridades de Charlotte suspendem toque de recolher em sexta noite de protestos

Manifestantes prometem ocupar as ruas até que polícia divulgue todas as imagens da morte de Keith Lamont Scott, que foi baleado por agentes policiais

O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2016 | 11h29

WASHINGTON - As autoridades de Charlotte suspenderam o toque de recolher decretado nas últimas noites em razão das violentas manifestações na cidade da Carolina do Norte, nos EUA, após a morte de um homem negro pela polícia local.

A prefeita da cidade, Jennifer Roberts, e o presidente da comissão do condado, Trevor Fuller, fizeram o anúncio. "A prefeita Roberts continua pedindo à comunidade para se reconciliar e demonstrar sua unidade de uma maneira legal e pacífica", dizia o comunicado por meio do qual foi feito o anúncio.

Nos últimos dias centenas de pessoas mantiveram seus protestos nas ruas depois da meia-noite, sem que se repetissem os distúrbios e confrontos com policiais registrados nos primeiros dias. 

Na noite de domingo, centenas de pessoas gritaram palavras de ordem e marcharam em Charlotte. A multidão foi menor, mas os manifestantes disseram que os protestos continuarão até a polícia - que no sábado liberou trechos de vídeos que mostram a morte de Keith Lamont Scott, um afro-americano de 43 anos que foi baleado por agentes policiais - publicar toda a filmagem.

O vídeo exibido não forneceu indícios claros de que Scott segurava uma arma quando foi morto. 

"É uma palavra: transparência", disse Kerby McLean, pastor de 26 anos da igreja Perpetual Hope Kingdom International em Charlotte, pedindo que os líderes eleitos obtenham a gravação. "Estamos protestando até que eles respondam ao que queremos que façam", afirmou.

Desde terça-feira tem-se registrado protestos no centro de Charlotte, conhecido como Uptown, em razão da morte de Scott. / EFE e REUTERS

Veja abaixo: Charlotte decreta emergência após segunda noite de protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.